quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Que venha 2011

Refazendo a música de Armandinho: "Mais um ano se vai. E eu não estou correndo atrás...". 2010 chegou tão rápido e foi tão perfeito na minha vida, que nem acredito que está indo embora. Comecei o primeiro dia na companhia de amigos festando até o amanhecer. Então hibernei e lavei o corpo no mar no segundo dia do ano pra curar a ressaca. Tive pressa de viver.

Viajei com amigos numa viagem inesquecível pra Porto Belo, Balneário Camboriú e Floripa. Infelizmente me afastei de gente que gostava, mas me aproximei de outras maravilhosas. Conheci pessoas inesquecíveis pelo Twitter que já se tornaram especiais. Passei por turbulências na área da saúde com a família, mas foi tudo superado (graças a Deus). E agora 2010 está terminando do jeito que começou. Intenso e tão cheio de vida. Prometi algumas coisas para este ano, como organizar melhor o meu tempo. Não consegui cumprir.

Para 2011, minha promessa é não prometer mais nada. Quero apenas viver intensamente um dia de cada vez com as pessoas que gosto, degustando com calma este sabor da vida. Quero receber bem todos que tiverem vontade de se aproximar e virar meu amigo. Também quero continuar com este Blog e Twitter, compartilhando vários momentos com quem passa por aqui.

Hoje recebo uma média de 60 visitas diárias. Pouco para um site do porte do Kibeloco, Globo.com, ClicRBS, etc. Mas é muito para mim.  Quem tem um amigo de verdade, tem muito... concordam? Receber 60 pessoas neste meu canto virtual é uma conquista. São 60 pessoas que se interessam pelo que compartilho, riem, choram, me criticam, mas estão comigo nesta caminhada. Alguns comentam, outros são tímidos e se contentam só em espiar. Não tem problema, se eu continuar agregando na vida de cada um é o que importa.

Em 2010 vi bons blogueiros abandonarem seus espaços. Destaco dois: O meu amigo de profissão, João Pedro Alves, fez a última postagem no final de 2009 escrito "Um mergulho para 2010" e nunca mais voltou. Soube de tanta coisa boa que aconteceu na vida dele este ano e achei uma pena que nada mais foi compartilhado no blog. Outra que lamento e MUITO foi a Nathália do blog Cólica Mental. Ela tinha tantos textos divertidos e um jeito peculiar de contar sua rotina, mas deletou tudo. Soube que ela teve mudanças no emprego e passou a ganhar mais, o que diminuiu seu tempo pra internet. Faz parte, quem perdeu fomos nós.

Em 2011 eu quero continuar por aqui. Quero rir quando necessário, chorar quando for preciso e compartilhar coisas bacanas que recebo por email com o devido crédito do autor (se tiver). Começo o ano com alguns sonhos para minha vida. Quero fazer uma pós-graduação, trocar o carro da mãe e puxar algumas cadeiras do curso de Psicologia. Será que vou conseguir fazer tudo até 2021? Vamos acompanhar hehe. O importante é terminar cada ano com amigos e familiares presentes, cheio de saúde e vivendo bem.

Com esta postagem, encerro minhas atividades virtuais neste ano. Vou pra praia curtir o nascimento de 2011 com quem eu gosto e depois volto pra cidade, já que (por incrível que pareça) vou trabalhar no dia primeiro de janeiro. Vida de jornalista é assim, mas depois aproveito minhas merecidas férias de duas semanas. A todos que passam por aqui, desejo profundamente um EXCELENTE 2011.

Que ele seja o melhor ano da nossa vida. Amém!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

O que NÃO beber nas festas de fim de ano

Natal já passou e agora começa os preparativos para as festividades de final de ano. E quem aqui pretende começar 2011 com toda festa e muita energia positiva, levanta os braços \o/

Pra festa ficar completa, é indispensável aquela cerveja bem gelada que serve de combustível até a música parar de tocar e o primeiro sol de um novo ano mostrar o ar da graça. A galera do Blog Resenha em 6 preparou um Guia das Cervejas Vagabundas pra gente NÃO consumir nestas festas de fim de ano.

Ninguém aqui quer começar 2011 com dor de cabeça, né? Se for para embriagar, que seja ao menos com classe e requinte. Então anote no seu caderninho as cervejas que você não vai comprar nem que sejam as únicas lendas vivas nas prateleiras dos supermercados. Boas festas!

 Malta
"Abre Uma" é o seu slogan, conselho que você não deve seguir nem sob tortura soviética. Mais fétida que cabelo rastafári, lembra Cebion com caldo de Viviane Araújo Knorr. Tão lastimável que se fosse a única bebida alcoólica do mundo, imediatamente eu iria para o AA: “Oi, meu nome é Raphael, é minha 6ª passagem por aqui. Pretendo me livrar do álcool e, dependendo da mensalidade da Univer$al, virar evangélico."

Já vão longe os tempos em que Zezé, Chitão e outros sertanejos cantavam seus jingles na TV. Hoje a pobre Bavaria não tem nem site - foi relegada à prateleira de baixo dos supermercados, geralmente em latinhas amassadas. Ela não tem o chulé nem o gosto exagerado de álcool presente nas outras low-cost. Seu problema está no gás, que é estranhamente ardido. Fora isso, beleza. É uma Skol de quarto mundo.


Rio Claro
É uma cerveja inofensiva, e isso não é um elogio. Se estiver bem gelada, até te passa a perna num primeiro momento. Basta a temperatura subir 0,5ºC para o desespero começar. Sem "punch" nenhum, tem gosto de gelo derretido em copo de uísque vagabundo - também conhecido como gosto de água suja. É saída para fazer quantidade em fim em churrasco, servida após várias rodadas de cervejas boas.

Samba
Achei que o nome se justificaria no dia seguinte, pela chance de acordar com a bateria da Vai-Vai alojada na cabeça. Mas não é que ela é razoável no quesito harmonia? Vai bem também no fantasia, pois o selo protetor não gruda na lata. No quesito conjunto, vale quanto custa (R$ 0,89). Perde pontos em evolução, já que é produzida pela Conti. Mas se tratando de vagabundas, a Samba é melhor que muita musa do Funk.

Diretamente de Recife, a cerveja Frevo tem gosto de sarampo líquido (e ela nem é tão líquida assim) misturado com hemodiálise. A cada três goles, uma lágrima escorre do olho esquerdo. A essa altura, o direito já está cego. Nem para Tubarão que quiser harmonizar um suculento surfista com algo líquido é recomendada. Indico até Krill no lugar.

Mãe Preta
Na teoria é tipo Stout, na prática é Caracu misturada com a diarréica Malzbier. Sua rançosa espuma te premia com um bigode à la baixinho da Kaiser, que "pegou" a Karina Bacchi, que por sua vez, "ficou" (por 20 mil) com o Cristiano Ronaldo. Pelo gosto e nome, Mãe Preta deveria ser a cerveja oficial da macumba: harmoniza com o charuto do Pai de Santo e é ideal pra embebedar a galinha do despacho.

Pense no desespero. Agora imagine que ele é uma cerveja. Eis a Cintra, apelidada pela nossa equipe de "Skol from hell". No copo, ela apresenta mais bolhas que água tônica e um dourado pálido e pouco convidativo. O colarinho lembra espuma suja de garapa. Mostrou alto grau de "empapuçamento", prejudicando o restante da noite de degustação, já que ao tomar você desenvolve uma momentânea aversão a alcoól.

Crystal
Seguindo a estelionatária tendência das latinhas mais finas, a Crystal deixa um gosto na boca que lembra demais um Guaraná Diet genérico. Para "ajudar", a cola do selinho gruda na lata e deixa vestígios de alumínio e cola. O 1º gole é horrível. A 1ª lata é difícil de tomar. Mas, depois de ficar meio bêbado, com certo esforço dá para pensar que é Brahma guardada aberta de um dia para o outro sob a churrasqueira.

Os míseros 92 centavos pagos numa lata de Conti saem caro. A breja disputa em pé de igualdade com a Cintra o título de "Skol from Hell", ou seja, cerveja com gostinho de Álcool Zulu que vai bater no seu fígado com raiva. Antes disso, ela assusta pelo cheiro e pela aparência quase sem espuma e sem bolhas. Recomendada apenas para os mais fortes (e aos suicidas).

Esse atentado ao bom senso ficou por último por um nobre motivo: foi a única cerveja que não conseguimos tomar uma lata inteira. Ela é doce de um jeito bizarro e vira espuma de shampoo para lavar cachorro quando entra em contato com a língua. E, claro, nem para te deixar bêbado serve. É a pior cerveja já feita. Quem não pode beber, que peça uma Coca. É mais digno.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O melhor presente é sempre o amor

Todos os anos quando as luzes de natal enfeitam os jardins da cidade e a figura do Papai Noel aparece no comércio, confesso que fico assustado. Cai a ficha de que, mais uma vez, o ano chegou ao fim. Fim de ano é tempo de fechamento para balanço. Um balanço de reflexão no pensamento para pesar aquilo que aconteceu de positivo ou negativo durante o ano. Se a balança se posicionar mais para o lado positivo, ótimo. É sinal de que este ano foi bem aproveitado.

Apesar de 2010 ter sido maravilhoso comigo em todas as partes da minha vida e por tudo que me apresentou de oportunidades e pessoas maravilhosas, conto pra vocês que não estou nem um pouco no clima de natal. Sinto um vazio nessa cidade, um calçadão com poucos enfeites e muitas pessoas com interesse só no seu umbigo. Tudo o que eu pensava de bom dos adultos, quando era criança, assim que cresci caíram por terra. Por onde passo, vejo os humanos como um mero animal reprodutivo, que pensa só no seu bolso e que se dane o mundo. Bons exemplos de preocupação com o coletivo estão cada vez mais remotos. Que pena!

Eu desejo para vocês que me prestigiam nesta leitura, um natal de mais AMOR (em caixa alta) com todo potencial que esta palavra tem. Um amor que veio não apenas para criar herdeiros, mas para pensar no próximo, na cidade e de colocar em sintonia com o meio ambiente que se vive. As crianças de hoje precisam conhecer o verdadeiro significado do natal desde pequenas, que é o nascimento de quem deu um sentido para vida: Jesus Cristo.

A figura do Papai Noel? Ah, essa deve continuar existindo como símbolo do bom velhinho que oferece presentes e compartilha a felicidade do nascimento de Jesus com todos. Feliz Natal!


"O melhor presente é sempre o amor..."

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Forever Alone

O site do Luide Matos (Luide e o tempo), fez uma série bem legal chamada Forever Alone (sempre sozinho, em inglês). Nas imagens ele mostra a vida fracassada de um personagem que nasceu para viver na solidão. De todas as imagens, uma chamou muito a minha atenção. Vejamos.


Partiu meu coração... ♥


Será que existe alguém no mundo deste jeito? Que vida triste gente! Se algum de vocês passarem por isso, por favor, entrem em contato comigo que eu passo o meu número de celular pra vocês. Até porque fazer novas amizades nunca é demais, né? Abraço aos envolvidos.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Natal com iPhone 4G. Quem curte?

Olá queridos visitantes deste blog. Não sou Jesus Cristo, mas eis que trago a boa nova (Glória 3x - como diria @Cleycianne). Que tal ganhar de presente um iPhone 4G neste natal? (E quem não quer? hahaha). Há uma chance, minha gente, então vamos agarrá-la porque a esperança é a última que morre. (Ditados novos? Não trabalhamos!)

O site de compra coletiva chamado "Pra comprar Barato", está chegando no mercado e precisa da atenção dos internautas. Para conseguir isto, o que eles fizeram? Lógico, assim como peixe se pega pela boca, nós internautas somos fisgados por uma boa promoção: Sorteio de um iPhone 4G.

Sei que vocês também são descrentes em sorteios, porque nunca ganhamos nada. MASSSS quem não arrisca nunca vai ganhar, não é verdade? Então é isso, fiz a minha parte em deixá-los com 0,5% de chance em ganhar um iPhone 4G e agora vem a parte de vocês.

Cliquem na figura abaixo e digitem o nome, email, depois vão lá na caixa de entrada validar o cadastro e PRONTO. Vocês acabam de sair da margem de 0,0% de não ganhar nada. Boa sorte :)


Se algum de vocês forem O sortudo, por favor, deixem eu brincar nesse aparelho *_*

Obs: Pelo regulamento a chance de participar do sorteio encerra dia 22/12. Boa sorte pra todos

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Vem curar meu coração

Aviso aos navegantes: Postagem de cunho religioso, voltado para quem atravessa problemas e não está nem um pouco animado para as festividades de final de ano. Se não é o seu caso, meus parabéns. Leia se tiver vontade ou aguarde as novas atualizações.


Com aproximação do natal, não há nada melhor do que uma pausa para fazer um processo de cura e limpeza interior. Quais foram os pontos fortes de 2010 que vamos levar para sempre na bagagem das boas lembranças? E os pontos fracos? Quais são as mágoas, as tristezas adquiridas e as lágrimas derramadas que devemos sepultar para sempre no final de 2010?

Natal não é apenas época de luzes, enfeites nas vitrines e trocas de presentes. Natal é tempo de reflexão. O aniversário daquele que mudou a forma de como a humanidade vivência esta experiência de vida única - quer os ateus queiram ou não - precisa ser lembrado como tempo de mudanças. Mudanças estas que nos façam prosperar como Ser Humano, que vive em busca constante pela felicidade, amor e união.

Este ano foi difícil para você? Brigas? Perdas de entes queridos? Dívidas? Tens vivido uma vida repleta de tribulações, onde Deus (se existir) parece que disse antes de você nascer: "Desce e se fode?". Te entendo perfeitamente. Não pedimos para nascer e ninguém nos avisou que viver aqui seria fácil. Essa postagem foi feita para você, pessoa desanimada pela chuva de problemas e que - provavelmente - nem devo conhecê-la.

Se por ventura você for um (dos milhares) que carrega uma cruz pesada dentro de si, convido para escutar as palavras de Adriana que cantou "Tocar tuas vestes" (composta por Adelso Freire). Caso não puderes escutar agora, salve este endereço e volte depois com tempo e ouvidos limpos para escutar. E quem pode prosseguir, acompanhe a canção e a letra com fé. Nem preciso lembrar que a fé é o combustível inicial que precisamos para batalhar e superar os problemas. Paz e Bem!


Eu sei
De tantas formas eu tentei achar
Uma cura para mim

Busquei
Tantas formas de calar a dor
Mas falhei

Cansei
De tentar me enganar, Senhor
O que eu preciso está em Ti

Vem curar
Minhas feridas e sanar a dor
Que ainda existe em mim

Preciso ouvir a tua voz
Sentir tua presença aqui
Tocar em tuas vestes eu preciso

Permita-me ficar aqui
Debaixo de tuas asas
Aonde eu sei que eu posso descansar

Cura-me, sara-me, vem tratar meu coração
Ó Senhor, meu Senhor, vem curar meu coração
Só precisas me tocar
Só tu podes me curar

Cura-me, sara-me, vem tratar meu coração
Ó Senhor, meu Senhor, vem curar meu coração
Só precisas me tocar
Sei que podes me tocar. Jesus

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Faça tudo valer a pena

Minha friend (amiga em inglês) do meio jornalístico, Karina Manarin, postou um link de vídeo no Twitter que gostei bastante e resolvi compartilhar com quem atraca sua navegação virtual por aqui. É uma montagem da música "Faça Valer" do RUB, publicado pelo Tiago Nazaré no YouTube, que deveria ser oficializado como Hino da Vida de todos nós. Chega de bla bla bla e aperta o Play!


"Faça tudo valer a pena 
a vida é tão imensa e ao mesmo tempo é tão pequena..."

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

E o meu amigo secreto é...

Olha só dezembro voando diante os nossos olhos e o natal enfeitando a sala. Alguém pede pro Papai Noel esperar a gente pagar as contas e colocar as promessas feitas para 2010 em dia, antes dele descer pela chaminé? Não tem jeito? Então deixa, o natal está ai e com ele vêm as famosas brincadeiras de "Amigo Secreto" - ou "Oculto" para outras pessoas.

Terceirão é época de despedidas, preparação para o vestibular e festas. Então a sala do meu irmão (que se formou recentemente) resolveu marcar o encerramento das aulas com um "Amigo Secreto" para descontrair a turma. A professora de biologia, Margareth, é convidada e participa da retirada dos bilhetinhos com os jovens. Todos estão com os papéis na mão e perguntam se está tudo certo. A professora solta um sorriso "amarelo" e diz para turma:

- Sabem como é, né. Tenho muitos alunos e não me lembro de todos, mas está tudo bem!

A aula termina e o professor de matemática aparece perguntando ao grupo: - Gente, a professora Margareth mandou perguntar quem é a Ana Paula?

A risada foi geral e no dia da revelação, a professora pede desculpas aos alunos: "Pedi ao professor que me falasse quem é a aluna, mas não imaginei que ele fosse perguntar pra vocês". Sem problemas, os alunos responderam. Quando chegou a vez dela revelar o amigo secreto, ela diz: "E a minha amiga secreta é a Ana Paula" (Ohhhh, que surpresa... NOT). No que ela ia entregando o presente para primeira aluna da fila, os alunos dão a dica: "Não é ela professora, a Ana está bem atrás de você".

Normal, quem brinca de Amigo Secreto com muita gente corre esse risco de não conhecer o contemplado. Nesta semana foi a vez da minha mãe, que também é professora, revelar seu amigo secreto na sala de aula. Com direito a refrigerante, salgadinho, bolo e doces, ela conta para os alunos:

Professora: - A minha amiga secreta é muito querida, legal, foi uma boa aluna e pediu um sapinho de presente. É a Beatriz!
Todos: - Aeeeewwww, parabénss! Vai lá Beatriz, mostra o presente e diz quem você tirou.
Beatriz: - Obrigada professora, amei o presente. E a minha amiga secreta é...
Aluna frustrada: - ESPERA, TÁ ERRADO! Foi eu que tirei a Beatriz. Está aqui o meu bilhete ó (e todos: óhhhh), tem alguma coisa errada.
Professora: - Gente, mas não é possível. A minha amiga secreta só pode ser a Beatriz porque ela pediu um sapinho de presente...
Joana: - Eu também pedi um sapinho de presente, professora. Então você me tirou!
Professora: - Que vergonhaa! Beatriz, se importa de devolver o presente pra Joana? Troquei tudo... 


Então Joana recebeu o presente já aberto pela Beatriz e a Beatriz ficou sem o sapinho que queria, porque à aluna frustrada comprou outra coisa no lugar. Para encerrar essa bonita festa, minha mãe reúne toda turma.

Professora: - Fiquem todos pertinhos e grudadinhos que vou tirar uma foto de recordação, ok? 1, 2, 3 e lá vai... Ficou LINDA! Agora alguém vem aqui tirar a foto da professora com os alunos.
Aluna legal: - Eu tiro! Isso, todos juntos. Lá vai hein. 1, 2, 3 e... e... e... professora, apagou tudo!
Professora: - Capaz, desliga e liga de novo. Acho que tu não sabes fotografar direito.
Aluna legal: - Não tem jeito, professora. Não tem mais bateria.
Professora: - EU VOU MATAR O MEU FILHO! (Neste caso... sou eu)

É assim mesmo minha gente, os anos passam, as tradições continuam e os erros acontecem. O importante é se divertir e aproveitar o máximo de cada momento, pois lá na frente só vai restar a saudade. E que venha outros amigos secretos ou nem tão secretos assim.


Obs: Imagens ilustrativas e reprodução dos diálogos simulados pelo relato de quem participou

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

É assim que nasce um campeão de Natação

Vamos para mais um momento "óin, cute cute" que bonitinho. Veja neste vídeo que recebi por email, como nasce um atleta futuro campeão de Natação. Solta o Play!


Tão pequeno e já tão esperto!
Aposto que ganha frouxo de muitos adultos em disputa na piscina.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Adivinha qual o melhor creme para as mulheres?

O site Glamya fez vários testes e encontrou o melhor creme corporal para as mulheres. Adivinha qual é?









Tinha alguma dúvida? Viva o Photoshop... ou não.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Formatura é tempo de agradecer

Nesta sexta vou vivenciar mais uma daquelas datas especiais que marcam para sempre todos da família. Meu irmão único e caçula, Mateus Machado Casagrande, vai se formar no terceirão do colégio São Bento. Não quero reportar aqui todas as dificuldades que enfrentamos para pagar este colégio particular, e nem do susto que levamos com os estudos dele.

O relaxamento somado com a preguiça de estudar durante o ano fez com que ele fosse para segunda época (depois da recuperação), precisando de notas altas pra ser aprovado. Já que ele conseguiu, hoje vou estar lá na colação de grau para aplaudi-lo de pé pela conquista. Ele soube correr atrás daquilo que é importante e recuperou o prejuízo deste desleixo.

O momento não é de puxar a orelha, mas de agradecer. Agradecer por estar vivo e poder testemunhar as conquistas obtidas por cada ente querido da minha família. Não é de hoje que valorizo tanto esta palavra. Família, para mim, sempre foi à base de tudo e o meu motivo para seguir adiante. É com eles que encontramos as forças nos momentos de maiores adversidades.

Fico triste quando ouço depoimentos de quem tem uma família quebrada, destruída e que não fala com mais ninguém. Muito triste mesmo... se não temos eles, com quem vamos compartilhar nossos momentos tristes ou felizes? Amigos? Sim, são importantes. Alguns são até mais presentes que os familiares, mas não substituem. Cada um deve ser amado de um jeito diferente, onde ambos se complementam.

Ontem tivemos a celebração da missa promovida pelo colégio aos formandos com a presença de amigos e familiares. Quem participou conosco foi a minha madrinha de batismo, Tia Geani. Olhei para ela e agradeci pela presença. Ela não precisava estar lá, mas fez questão de acompanhar este momento especial. Foi ela que acompanhou meu culto ecumênico quando me formava na Unisul de Tubarão. Além disso, ela também acompanhou outras conquistas minhas e do meu irmão.

Que bonito isso... como é gostoso ter alguém que faz questão de nos acompanhar em momentos marcantes para dividir nossas alegrias e tristezas. Isso é família. Admiro quando ouço alguém contar que tem um amigo que já faz parte da família. Eu ainda não encontrei, mesmo assim tenho ótimos amigos com quem vou festejar a conquista do meu irmão nesta noite em uma linda festa junto com os familiares.

Diante este momento especial que me deixa sem palavras, só tenho algo a dizer: Obrigado meu Deus pela conquista do Mateus. As vitórias de cada um que amo, eu considero minhas também :-)

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Ausências que o trânsito deixou

Quando um trabalho é bem feito, sou favorável que ele seja publicado e republicado em todos os meios possíveis - SEMPRE - com o crédito de quem criou, produziu ou escreveu. Vocês que já conhecem o Blog Assuntos Diversos sabem que aqui, compartilho partes da minha vida e coisas interessantes que vejo neste mundo da internet.

O que trago nesta postagem, aos meus poucos e fiéis amigos visitantes deste espaço, é uma matéria da jornalista Kamila Almeida do jornal Zero Hora de Porto Alegre (RS). Ela fez uma reportagem especial sobre "Ausências que o trânsito deixou" publicada dia 14 de novembro de 2010. Assim que vi a capa do jornal tive muita vontade de ler, mas não sou assinante do jornal e não tive como. Depois de algum tempo, achei a matéria no portal ClicRBS.

Ao ler a reportagem com o depoimento dos pais, meus olhos estavam cheio de lágrimas e meu nariz não parava de escorrer. Cena típica de todo ser humano que se emociona com perdas familiares e se sensibiliza ao ver tantas famílias incompletas por uma fatalidade. Vou parar de comentar senão vou chorar de novo. No próximo parágrafo, vocês passam a ler a matéria na íntegra da Kamila com um link super especial do audiovisual dos pais. Reserve um tempo para ler e boa leitura!

Kamila Almeida
kamila.almeida@zerohora.com.br

A cada cinco horas, uma família é dilacerada pela notícia da morte brutal em acidentes no trânsito gaúcho. Histórias particulares se condensam em estatísticas, como as 1.405 vidas ceifadas de janeiro a outubro deste ano, segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Do total, 359 não chegaram aos 30 anos de idade — e 259 ficaram entre os 18 e 24 anos. Atordoados diante da lógica invertida, casais que perderam filhos eternizam a última lembrança de seus tesouros: o quarto.

O colorido impregnado no dormitório juvenil contrasta com o caminho acinzentado que os pais passaram a percorrer. As flores, a luz da vela e os adornos típicos de quem, aos 18 anos, ainda tateava no mundo adulto são os itens visíveis do quarto de Alessandra Andreolla Feijó, filha do empresário e vice-governador Paulo Afonso Feijó, 52 anos, e da professora de educação física Lisette, 49 anos.

— Nos primeiros seis meses eu dormia aqui, vez por outra. A sensação é de que, no quarto, estamos mais perto. Era o cantinho dela — conta Lisette.

Luanda Patrícia, filha dos empresários Eliane, 37 anos, e Roque Redante, 43 anos, de Guaporé, também tinha 18 anos quando partiu. O dormitório rosado ficou intacto. Num bloco, Luanda deixou rabiscados 45 desejos que ela calculava alcançar antes dos 35 anos. Cumpriu, pelas suas anotações, apenas três: "dançar em cima de um palco loucamente", "dormir com a roupa que saiu" e "viajar com as amigas".

Em Flores da Cunha, a empresária Noeli Agostinetto, 38 anos, mãe de Willian, 19 anos, quis fazer diferente. Logo após a morte do adolescente, tentou se desfazer de tudo, mas já na primeira doação, o coração apertou. Ela e o marido, Cladecir, 44 anos, acabaram vencidos, e as recordações de azul até hoje predominam nos 11 metros quadrados do cômodo incólume.

Ezequiel foi fruto da oitava tentativa de Marta Maria Pretto de engravidar. Quinze anos depois, com a morte do marido, o garoto virou a família de Marta. Mais três anos se passaram e o filho, de 28 anos, se foi, lançado contra a traseira de um caminhão.

— Eu sinto o cheiro dele. Tem vezes que é mais forte. Acho que depende de mim, de como estou — confidencia a mãe.

Quando a garganta da costureira Maria de Lourdes Webber Raupp, 59 anos, engasga, ela solta um berro, para dor da vizinhança. Dia desses, na pequena Dom Pedro de Alcântara, no Litoral Norte, gritou de saudade das traquinagens de Gabriel, 22 anos. O som, estridente, ecoou a ponto de despertar solidariedade. Ela recusou e explicou:

— Deixa eu gritar. Preciso aliviar o peito.

Na casa de Odete da Luz, 53 anos, e do marido, Edemar Rossetto, 57 anos, no município de Novo Barreiro, até a extensão do telefone é mantida no quarto de Everton, morto aos 29 anos, cuja despedida paralisou a vida do casal, há nove meses, até na arrumação da casa.

— Ele dizia que a cortina da sala incomodava. Sempre a prendia em um vaso de flores. Foi o que fez pela última vez antes de sair na tarde do acidente. Desde então, não consegui mais soltar a cortina — conta a mãe.

Os jovens tombados nessa guerra urbana deixam planos incompletos. Mariana ainda cultivava desejos infantis, aos 11 anos, quando partiu, forçando Nara e Clóvis Rodrigues a zelar por ursos de pelúcia, Barbies, roupas e sapatos da menina, intocados desde a ausência da filha única.

As histórias se cruzam e se repetem. Pais e mães carregam consigo objetos de valor inestimável. Noeli usa a corrente e o crucifixo de Willian, e o pai, um anel do garoto. Lisette adotou a gargantilha preta com pingente dourado em forma de coração, mimo de Alessandra. Eliane não desgruda da aliança que Luanda usava no dia da partida.

A dor das famílias amplia a sensação de impotência. Sonham em mudar o cenário dessa guerra que leva para o túmulo jovens que não se alistaram. No especial, as imagens retratam sete histórias paradas no tempo.

Clique na figura para ver fotos e ouvir os depoimentos:








Manifestações de internautas sobre a matéria

Nome: José Antonio de Souza - Bagé, RS


A vida nos junta a estes depoimentos. Hoje, são 14 anos, completados no último dia 02 de novembro. Eu e Lúcia perdemos dois filhos, Régis e Douglas com 18 e 19 anos respectivamente. Dói hoje como foi receber a notícia. A lembrança é diária pois o que mais existe é jovem na vida de todos nós. Filho é insubstituível sim. Por mais que a gente se esforço a lembrança e a saudade continua sendo insuportável. Até hoje não abrimos o armário deles pois sabemos que iremos chorar muito, ta tudo lá.


Nome: Andiara - Morro Redondo, RS


Parabéns pela matéria, perdi meu irmão no dia 29 de agosto desse ano, e ainda parece q estamos em choque, que não é verdade, e o quarto dele tbm continua lá exatamente como ele o deixou, ele tinha 24 anos, os dois amigos deles tbm morreram,um de 24 anos tbm e o outro com 16 anos.E muito triste nos identificamos muito com essas famílias.


Nome: Luiz Carlos - Santa Cruz do Sul, RS


Puxa vida. Li a matéria e me emocionei. Emocionei até demais. Que coisa, porque precisa ser assim? Gente jovem, que transmitia alegria, formavam uma familia feliz, partem de uma hora para outra e, de uma forma dramática. Que tudo que está escrito na Biblia seja verdadeiro e, que possamos nos encontrar num dia. Desejo força aos país.


Nota do blogueiro: Se por ventura o Google trouxer alguém para ler esta postagem, que enfrenta o mesmo problema dos familiares na matéria, deixo aqui um vídeo de esperança e força para continuar adiante nesta vida passageira. Não é fácil... mas é preciso tentar. 


"Quando se perde alguém parece que se perde a paz..."

domingo, 28 de novembro de 2010

Caipirinha da Boa

Dizem que ela vende aproximadamente 300 caipirinhas em um dia fraco.

Cobra apenas R$ 5,00 a dose e tira R$1.500,00/DIA...


Não é uma Puta Ideia?

OBS: Recebi por email sem nome, local e a fonte pra checar a veracidade. Quando a gente se forma em jornalismo, adora checar estas coisas para ver se as informações são confiáveis. Mesmo sem saber a verdade, só pela foto percebe-se. A mulher foi genial, além de corajosa.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Rio de Janeiro na guerra do BEM x mal

Há muito tempo eu e, principalmente, a população carioca esperava uma grande retaliação contra a bandidagem que se instalou no Rio de Janeiro. Ninguém imaginava quando isso iria acontecer e a quantidade de homens que iriam participar, mas as imagens de ontem (25) na televisão serviram de alívio ao ver à presença do BOPE e da Marinha retomando partes da cidade que eram dominadas por facções criminosas.

Quem não ficou feliz ao ver os traficantes correndo perdidos e desesperados por uma estrada de chão? Já era hora do bem vencer este mal. Nenhuma cidade deve assistir de braços cruzados os carros serem incendiados e a população ficar sem o direito de ir e vir (com segurança) para onde quiser. A resposta da Secretaria de Segurança Pública foi bem recebida e o governo mostra para todos quem realmente manda na cidade, como estamparam os jornais Extra (RJ) e Diário Catarinense (SC) desta sexta-feira (26).

O Rio de Janeiro é vítima de um crescimento desordenado e uma distribuição de renda muito desigual. A cidade maravilhosa e de paisagens exuberantes (que um dia quero conhecer pessoalmente), não merecia conviver com aquele amontoado de favelas que estragam o visual da cidade. O problema daquelas construções é que não há qualquer infra-estrutura, as ruas são apertadas, além do aglomerado de casas feias e uniformes servirem de esconderijo ideal para os bandidos se instalarem no local e fugir da polícia.

A guerra ainda não terminou e a violência está longe de acabar, mas é preciso pensar no futuro. A cidade vai sediar alguns jogos da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas 2016, então a prefeitura deveria derrubar todas as favelas e construir unidades habitacionais. Há muitas pessoas boas e trabalhadores honestos que moram nestes locais. Eles sofrem nas mãos dos bandidos, mas não têm outra alternativa a não ser se trancar em casa e seguir a lei como manda os criminosos. Com uma casa digna, eles passariam a viver como todo ser humano merece e o visual do Rio de Janeiro ficaria ainda mais bonito.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Lembranças resgatadas na reunião de condomínio

Moro no mesmo lugar há 23 anos, ou seja, desde quando nasci. Meu prédio é um lugar simples, sem luxo, mas localizado no coração da cidade de Criciúma, bem no centro. Por aqui já construí grandes amizades, mas que se perderam com o tempo. Sabe aquela história "A distância não separa os verdadeiros amigos"? Separa SIM, ao menos no meu caso. Sempre que um amigo se mudava, havia promessas de visitas no novo local e de nunca perder o contato. Bobagem...

Falar para quem está indo embora que o contato vai ser mantido era menos doloroso do que aceitar a verdade. A gente até tenta no início, um vai na casa do outro, mas chega uma hora que ambos não podiam mais se ver e então tudo esfria. Quando cai a ficha, aquele GRANDE amigo do prédio já era um desconhecido. Não há culpados. Quem se muda conhece novas amizades e quem fica se via obrigado a viver com ausência de quem gostava.

Foi assim que vivi grande parte da minha infância. Internet não existia, celular era artigo de luxo e amizades eram feitas e desfeitas por causa de um caminhão de mudança. Um dos momentos mais mágicos era quando a gente brincava na garagem do prédio. Aquele tempo não existia estes aparatos tecnológicos, nem leis que proíbem correr, brincar e fazer barulho na garagem. O bom senso era preservado e tudo era permitido, desde que não estragasse os carros dos moradores (na época recheado de chevettes, fuscas, fiat uno e afins).

Um momento marcante era as reuniões de condomínio quando os moradores participavam em peso. Enquanto nossos pais discutiam o melhor futuro pro prédio, nós brincávamos de esconder entre os pilares na garagem. Lembrei de tudo isso na reunião de condomínio que participei nesta terça. Agora elas são feitas no salão de festas, estrutura sonhada por muitos amigos que saíram desde local sem ver ele pronto e funcionando. Ficou tão bonito este lugar.

Depois de oito anos voltei a participar dessa reunião. A última que participei com a mãe, tivemos que sair de vergonha quando a síndica interina começou contar quem estava devendo. Nossas finanças nunca foram das melhores e sempre tivemos um histórico de atrasar um pouco, mas nada justifica fazer as pessoas passarem vergonha. Ainda mais quem tem o hábito de pagar tudo, mesmo um pouco atrasado. Enfim, coisas do passado que traumatizam a gente. Graças a Deus hoje tudo melhorou.

Fui obrigado a voltar participar da reunião porque recebemos uma multa por circular com a cachorra no hall de entrada. Não vi cabimento e fui reclamar com a síndica (que hoje é outra). Ela falou que a proibição surgiu na reunião de condomínio e que, se quisesse retirar a multa, era hora de participar destes encontros para defender meu ponto de vista. Sem alternativa, chamei a vó (que mora no meu prédio) para ir comigo participar da reunião do mês.

Lá não ouvi nada de interessante além da reforma da garagem. Soube que um gurizão do 5º andar vai se mudar para Curitiba e que a mulher do 7º voltou a morar no prédio depois de 10 anos fora. Também soube que a mulher do 6º está com unhas e cabelo novo, e que um morador desconhecido deixa o alarme do carro disparando na frente do prédio. Tudo bem, não me arrependo de ter participado. Enquanto eles iam falando, eu estava com a cabeça longe lembrando dos momentos bons que já vivi neste lugar.

Lembrei de tanta gente boa que passou por aqui e deixou sua marca no meu coração. Onde será que elas vivem? E como estão? Ah, Deus... quantas saudades.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Dia do Músico

Hoje comemoramos o dia daqueles que têm o dom de cantar e encantar muitos momentos da nossa vida: Dia do Músico. Incrível como eles conseguem compor uma música que se encaixa em todos os momentos que estamos passando. Se o momento é de felicidade, Lou B.Rogers trouxe a música Oh Happy Day (Dia Feliz em inglês). Se estamos tristes, Rolling Stones compôs Wild Horses (Cavalos Selvagens). Se o momento é de sofrimento, Carlos Papae consola com a consagrada composição de Noites Traiçoeiras.

E quando a saudade aperta? Edson Trindade escreveu "Gostava tanto de você" tão bem interpretada na voz de Tim Maia. E o amor? Ah, o amor... são tantas as músicas feitas para fazer o coração dos apaixonados bater mais forte. Impossível esquecer a letra "Estou Apaixonado", de Estefano e Donato cantado nas vozes de João Paulo e Daniel. Até os nossos guerreiros pais também já foram homenageados por Léo Canhoto e Robertinho em "Meu velho Pai".

Não importa o gênero musical. Seja POP, MPB ou Brega, o dia do músico deve ser sempre lembrado por todos aqueles que não vivem sem música e tem sempre uma trilha sonora marcante em algum momento da vida. Ontem a Rede Globo mostrou o compacto do show histórico de Paul Mc Cartney no Brasil, realizado em São Paulo. Para nossa frustração, ela cortou partes muito aguardadas como a linda música Hey Jude.

Em homenagem aos verdadeiros músicos (excluímos aqui Carla Perez, Restart, Saia Rodada, etc...) publico neste humilde blog a tão esperada música do show de Paul Mc Cartney que a Globo cortou.



Hey, Jude, don't make it bad,
Ei, Jude, não fique mal,

take a sad song and make it better
Escolha uma música triste e torne-a melhor

Remember, to let her into your heart,
Lembre-se de deixá-la entrar em seu coração,

then you can start, to make it better.
Então você pode começar, a melhorá-la.

Hey, Jude, don't be afraid,
Ei, Jude, não tenha medo,

you were made to go out and get her,
Você foi feito para sair e conquistá-la,

the minute you let her under your skin,
No minuto que você deixá-la entrar na sua pele,

then you begin to make it better.
Então você começará a melhorá-la.

And anytime you feel the pain,
E sempre que você sentir a dor,

Hey, Jude, refrain,
Ei Jude, detenha-se,

don't carry the world upon your shoulders.
Não carregue o mundo nos ombros.

For well you know that it's a fool,
Você bem sabe que é um tolo,

who plays it cool,
Que finge que está numa boa

by making his world a little colder.
Tornando seu mundo um poucoo mais frio.

Na na na na na na na na...


Hey, Jude, don't let me down,
Ei, Jude, não me decepcione,

you have found her now go and get her,
Você encontrou-a, agora vá e conquiste-a,

remember (Hey Jude) to let her into your heart,
Lembre-se (Hey Jude) de deixá-la entrar em seu coração,

then you can start to make it better.
Então você pode começar a melhorá-la.

So let it out and let it in,
Então coloque prá fora e deixe entrar

Hey, Jude, begin,
Ei, Jude, comece,

you're waiting for someone to perform with.
Você está esperando por alguém com quem realizar a performance.

And don't you know that is just you?
E não sabe que é somente você?

Hey, Jude, you'll do,
Ei Jude, você consegue

the movement you need is on your shoulder.
O movimento que você precisa está nos seus ombros

Na na na na na na na na...

Hey, Jude, don't make it bad,
Ei, Jude, não deixe mal

take a sad song and make it better,
Escolha uma música triste e torne-a melhor,

remember to let her under your skin,
Lembre-se de deixá-la debaixo da sua pele,

then you'll begin to make it better (better, better, better,better, better, oh!)
Então você começará a melhorar (Melhor, melhor, melhor, melhor, oh!)

Na, na na na na na, na na na, Hey Jude
Na, na na na na na, na na na, Hey Jude

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Recordes de bobagem

Sou formado em jornalismo, mas sempre tive uma queda pela psicologia. Sonho em saber o que se passa na cabeça dos humanos... Por que cometemos atos tão insanos e idiotas? Queria entender por que um ser humano consegue usar a inteligência para ter atitudes brilhantes, e outros usam para coisas que não agregam em nada (super mega e ultra babacas).

Vejamos o Guiness Book (Livro dos Recordes em inglês). O Guiness consegue bater o próprio recorde de coisas inúteis ali publicadas. Quantas vezes olhamos notícias de alguém tentando quebrar um recorde do tipo "Viver com aranhas venenosas"? Confere.



Conhecido como "Homem Aranha", o australiano Nick Le Souef começou na segunda-feira sua tentativa de viver com cerca de mil aranhas venenosas por três semanas dentro de uma jaula em Melbourne, na Austrália. Le Souef, que tenta quebrar seu próprio recorde no Guinness, poderá descansar por 30 minutos por dia para movimentar as pernas e preparar uma refeição. (Fonte: G1)

Estes são os piores. O recorde já é dele e ninguém se interessou em querer cometer esta mesma loucura. Não satisfeito e tomado pelo tédio (sim, pois quem faz isso não pode ter uma vida muito agitada), o que ele faz? Quer repetir a dose e quebrar o PRÓPRIO recorde. Sem comentários.

Tem mais palhaçadas destas pelo livro. Vamos olhar mais um... "Por recorde, empresário malaio dirige de ré por 1.010 km".


I. Rajagopal, de 56 anos, levou seis dias para completar a façanha. Ele dirigiu a uma velocidade de 3 a 40 km/h durante a quebra do recorde. (Fonte: G1)

Quem em bom estado de saúde mental vai sair pelas estradas dirigindo de marcha ré? Sem comentários (2). E as bobagens não param, tem essa aqui também. "Por recorde, 200 tomam banho de lama com porcos na Holanda".  


Cerca de 200 pessoas participaram neste domingo em Esch, na Holanda, da tentativa de entrar para o Guinness, livro dos recordes, com o maior número de pessoas tomando banho em uma poça de lama ao mesmo tempo. O evento foi organizado por uma entidade de animais, que levou porcos para a "piscina de lama" para alertar que milhões de suínos não podem aproveitar o verão. (Fonte: G1)

Foto do tipo: "Oi, eu sou um porco e gosto de tomar banho com os meus parentes". --' Tem um monte de casos iguais ou piores estes que mostrei. Ainda bem que nem tudo é só recordes de bobagens e mau exemplo. Tem coisas bonitas por lá também. Curte essa.



Para entrar para o Guinness, mais de 1.500 casais se reuniram na última sexta-feira (7) em uma praça na cidade bósnia de Tuzla, a 75 quilômetros de Sarajevo, para dançar valsa. Ao todo, 1.510 casais dançaram por cinco minutos e superaram o recorde estabelecido em 2009 no Reino Unido, quando um evento reuniu 315 casais. (Fonte: G1)

Agora sim, até que enfim um recorde prestável. Dançar é vida e deixa nossa alto estima elevada. Se tivesse um Guiness Book de bons exemplos, com certeza a humanidade seria mais inteligente e interessante.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O Segredo da Vida

Recebi por email um vídeo muito tocante que mostra detalhes de um processo que originou a vida de cada um de nós. Imediatamente procurei no YouTube para ver se alguém tinha postado e poder compartilhar com vocês. Como eu previa, já estava por lá desde 2009.

Quem puder, assista esta apresentação de 4 minutos e 11 segundos das autoras Ine Braat e Suely Hinds que conseguiram mostrar - de forma brilhante - este espetáculo que é o nosso nascimento. Ninguém nasce para ser infeliz, ninguém vem ao mundo para ser ruim. Todos deveriam aproveitar esta breve passagem para oferecer o melhor de si e ajudar deixar o mundo um pouco melhor do que encontrou.


"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos"
(Charlie Chaplin)

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Diga NÃO aos curiosos de velório alheio

Quem já perdeu alguém que amava, sabe como é triste uma despedida. É uma dor que vem da alma, e tem a mesma intensidade da sua proximidade com esta pessoa querida. Eu não gosto de frequentar velórios (ninguém deve gostar), prefiro manter distância destes momentos de dor e que não temos o que dizer para amenizar o sofrimento de quem fica. Só vou nestes locais se o corpo velado é da família, amigos, colegas, ou de alguém muito próximo ligado a uma destas pessoas por qual tenho respeito e admiração.

Neste domingo a minha mãe decidiu que na volta da praia, nós iríamos passar no cemitério municipal para olhar o túmulo do meu vô que faleceu em 2006. A justificativa dela era porque não foi lá visitar no Dia dos Finados. Tentei lembrá-la que a gente visitou o túmulo do vô dois dias antes:

Eu: - Mãe, pra quê ir ao cemitério? Esquecesse que estivemos lá no domingo passado, porque sabíamos que no dia dos finados tu não estarias na cidade?
Mãe: - Não importa filho, eu quero passar de novo pra ver o túmulo que minhas irmãs limparam e ver o arranjo de flores que elas compraram.
Eu: - Se é assim, está bem.
Mãe: - Vou aproveitar pra acender uma vela também.

Chegamos no cemitério vimos que não tinha mais o arranjo de flores porque roubaram (cretinos), e nem tinha vela guardada no túmulo para ela acender. Tempo perdido? Pra minha mãe, não. Ela aproveitou para rezar e chorar mais um pouquinho de saudades. Tudo bem, sei que o falecimento de pais ou filhos - geralmente - o ser humano sente mais. Além disso, também sei que um dia vai ser a minha vez de chorar por ela (se Deus quiser daqui há mais de 40 anos).

Na saída vimos uma capela bem movimentada e nessa hora sempre bate aquela curiosidade humana: Quem morreu? Só que a mãe não se conteve em ficar com a curiosidade e foi na busca de respostas.

Mãe: - Filho, vamos entrar ali.
Eu: - Ah, é! Capaz, nem conhecemos a pessoa. Vamos embora que tá anoitecendo.
Mãe: Que nada, está cheio de amigas professoras e eu quero saber se morreu alguém da educação.
Eu: - Tá bom, só não faz eu passar vergonha. E se for aquele menino de 22 anos que morreu nesse final de semana? Muito triste, não quero ir no enterro.
Mãe: - Vem comigo.

É incrível como a pessoas percebem quando alguém entra no velório sem conhecer ninguém e nem ter alguma ligação com o(a) falecido(a). Todos ficam te observando enquanto enxugam às lágrimas.

Mãe: - Procura o nome da pessoa. Todo velório tem nome ou foto da pessoa na porta.
Eu: - Você não disse que tinha um monte de amiga professora aqui? Cadê? Vai ali e fala com elas, cumprimenta e já pergunta.
Mãe: - Ah, não são bem amigas. Só as conheço de vista, mas sei que são professoras. Agora vê se tu achas o nome...
Eu: - Achei, olha lá no papel. O nome dela é Olinda.
Mãe: - Será que era nova?
Eu: - Por que você não entra ali pra ver? Eu acho que depois da década de 70, nenhuma mãe deve ter registrado alguma filha com nome de "Olinda".
Mãe: - Tá bom, vamos entrar com a mãe pra ver quem é.

Acho que o corpo tinha acabado de chegar, pois tinha gente chorando bastante. Na porta da capela eu desisti da ideia...

Mãe: - Por que não queres entrar? Achas que a mãe não deve ver o corpo?
Eu: - Olha mãe, se queres entrar, então vai sozinha. Eu não quero entrar ali e só olhar como se fosse nada. Tão chorando do lado do caixão,  e dai vamos ter que cumprimentar os familiares sem conhecer e nem poder dizer nada.
Mãe: - É mesmo né? Vamos embora daqui.

Nessa altura já tinha familiares e professoras "amigas" da mãe nos observando e fazendo uma bolsa de apostas pra ver se a gente entrava. Eu avisei que não era pra ir lá. Já passei por estes momentos de dor e sei o quanto é chato quem vai só pela curiosidade e - quando pior - ainda faz comentários desnecessários. Vamos nos respeitar gente. Diga NÃO aos curiosos de velórios alheios.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Sexo é tudo?

Pela chamada da postagem, já deu pra perceber que vou falar sobre uma área que não sou especialista e nem tiro muito de letra igual o meu amigo blogueiro @RChicuta, o nosso Zé Mayer de Criciúma. Só que neste dia 5 de novembro, adivinha quem faz aniversário? A nossa sexysimbol do Twitter, Angela Bismarchi! Então nada mais justo do que celebrar esta data falando de sexo, que é o que ela mais gosta (e milhares de outras pessoas também).

Vamos lá então, começo levantando uma questão: Sexo é tudo? Será que todas as pessoas necessitam de muito sexo e, se pudessem, fariam isso por 24 horas? Esse assunto é muito complexo e particular de cada um. Qualquer índice sobre essa questão não contém 100% de veracidade, porque o homem costuma aumentar muito a quantidade de sexo real que faz e a mulher prefere diminuir.

Vamos analisar um pouco Angela Bismarchi. No Twitter de cada 10 tweets dela, 11 é sobre sexo. Ela é uma pessoa apaixonada pela suruba e foi por causa disso que se tornou conhecida. Para o homem que afirma ser uma máquina de fazer sexo, ela seria a mulher ideal.

E no dia do aniversário dela, surgiu essa polêmica no Twitter se sexo é realmente o mais importante. Na primeira postagem do dia, Angela já deu mais aulas sobre sua "Bíblia do Sexo".

Curioso, mandei uma pergunta pra ela...

Com essa pergunta veio o questionamento da companheira de Twitter, Ariane Miranda.

Educado, respondi...

Pronto: E a confusão estava feita...





A partir dai virou bagunça e milhares de replies apareceram. Vejamos algumas.














Isso foi 30% da discussão sobre a real importância do sexo, que lotou as timelines alheias. Enquanto isso, a aniversariante do dia estava emocionada com tantas homenagens. Vejamos o que louca por sexo falou.


Encantado com a "lágrimas nos olhos", eu conversei.


Só que ela não gostou, gente. E me mandou uma Direct Message (DM).

Pronto, acabou a brincadeira :`(

Sempre quis saber mais sobre quem não vive sem sexo, pois eu consigo viver. Acho que sexo é bom, mas não é o mais importante. Considero o carinho, as trocas de carícias e até as preliminares mais legal do que apenas a penetração.

Vamos ser sinceros, quem é que não cansa ficar naquele entra e sai por mais de meia hora? Enjoa e haja preparo físico. Muitas pessoas mergulham no sexo como uma fuga para esquecer os problemas no dia a dia, e eu penso diferente... Fico feliz que outras pessoas concordam que sexo não é tudo.



Posso ter queimado o meu filme ao afirmar que - pra mim - o sexo não é o principal. O que falar de alguém que diz isso publicamente? Viadinho? Gay? Bicha? Broxa? Pior que não dá nem para classificar, pois até estas pessoas também colocam o sexo em primeiro lugar e gostam disso de modo excessivo. Olha, não me importo de ter levantado esta questão e levado uma surra por quem AMA o sexo. Respeito e acho que cada corpo sente a sua necessidade, mas nesta vida passageira eu tenho outras prioridades.

Compartilhe

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Dicas Ocioso