sexta-feira, 16 de abril de 2010

Sou do tempo em que...

Estes dias fui atualizar o meu Orkut e vi nas atualizações recentes uma mensagem: "Fulana de tal acaba de ingressar na comunidade: Sou do tempo que...". Não contive a curiosidade e cliquei no link para saber do que se tratava.

Lá encontrei a proprietária Tati Pavesi coordenando mais de 99 mil adeptos a comunidade, que lembra algumas coisas que fizeram parte do nosso cotidiano no passado não muito distante. A descrição diz assim

Sou do tempo em que...

● não existia orkut;
● McDonald's custava R$4,50
● meninas de 11 anos brincavam de boneca;
● meninos de 13 anos assistiam Cavaleiros do Zodiaco e Dragon Ball Z;
● existia Chiquititas e não Rebelde;
● Plutão ainda era um planeta;
● festas de 15 anos não eram eventos;
● as músicas tinham coreografias;
● Kinder Ovo era 1 real;
● pessoas REALMENTE se conheciam e não por orkut;
● maquiagem era coisa de gente grande;
● fotos não eram tiradas para serem colocadas no orkut e sim para recordarem um momento;
● crianças tinham Tamagotchi e não celular;
● não existiam EMOs;
● se mandava cartinhas pra dizer que amava e não SCRAPS;
● Merthiolate ardia;
● tocava Mamonas Assassinas e eu nem entendia as letras direito;
● o bom era jogar bola na rua;
● Tv Colosso passava na Globo;
● dança na boquinha da garrafa era inocente;
● jogar Mário no super nintendo era o máximo;

.
.

A descrição para por ai, mas entre uma linha e outra eu fui lembrando de algumas coisas que ficaram no meu passado, mas que deixou saudades.

A vida inteira morei em prédio e tive uma infância absolutamente feliz com os amigos que construí aqui. Com o passar dos anos, um a um foi se mudando e só eu fiquei. Perdi o contato de todos eles (era um grupo com mais de 15 crianças), mas guardo na lembrança todos os momentos bons que vivemos juntos. Que saudade daquela inocência infantil que deixamos para trás...

Sou do tempo em que a gente se reunia com amigos e brincava de lego, carrinho, video game, etc. Não havia prazer maior do que reunir toda a turma para tentar fechar aquela fita de Top Gear, ou do Mário no Super Nintendo.

Sou do tempo em que todos os moradores se conheciam no meu prédio. E muitos se visitavam. Cada andar havia uma criança e a gente se reunia tudo para brincar de esconder, congelar, lua cheia, rio vermelho, roller, bicicleta na garagem do prédio. Também contamos muitas histórias sobre coisas mal assombradas e, o pior, acreditava nelas. Logicamente, dormir depois não era uma tarefa fácil.

Sou do tempo em que nos reuníamos em turmas para fingir que estávamos na escola. Tinha até lição de casa e nos divertíamos tanto. Outras vezes, fingíamos que ali era o circo e brincávamos de fazer mágicas imitando o palhaço carequinha. Até hoje sei fazer a mágica da "água e café".

Sou do tempo em que quando chegava o final da aula no colégio, que era de tarde, ia correndo para casa assistir Os Cavaleiros do Zodíaco que passava na extinta Tv Manchete. Nerd? Que nada, era moda e tava todo mundo assistindo.

Sou do tempo em que passava o programa do Mundo de Beakman de noite na TV. Meu pai e eu assistíamos, e até tentamos (em vão) fazer algumas experiências ensinadas pelo programa.

Sou do tempo em que o brinquedo mais próximo de um computador era o ''Pense Bem''. Sempre quis ter um, mas nunca tive condições. Mesmo assim me divertia respondendo as perguntas do livro do Pateta, desse brinquedo que o meu primo emprestava.

Sou do tempo em que a galera enchia o copo com água e detergente e ia à janela do prédio pra soltar bolinhas de salão (que coisa meiga, não?). A cidade enchia de bolhas de sabão ao redor do meu prédio e era uma coisa linda de se ver. A disputa era para saber qual a bolha durava mais tempo e quem fez a maior delas.

Sou do tempo em que todo objeto piscando no céu era sinal de um disco voador. Ficávamos eufóricos acreditando ter visto um deles, e já criávamos a teoria da conspiração de que os ET`s estavam nos analisando para um dia invadir a Terra e tomar conta da gente (não, não usamos drogas).

Sou do tempo em que passava todas as Marias possíveis no SBT, como Maria do Bairro, Mari Mar, Maria Mercedes, etc... da estrela Thalia, e as gurias amavam cantar e dançar as canções dela, fazendo passinhos que hoje lembram a Joelma do Calypso. Era um momento de gargalhada na certa. Então elas escolhiam quem de nós seria o seu Carlos Daniel (par romântico das Marias). Mas é claro que o escolhido não faturava muita coisa, afinal tínhamos apenas sete anos.

Sou do tempo em que o Titanic explodiu de sucesso nos cinemas mundiais, ficando por meses em exibição com todas as sessões lotadas. Lembro que não consegui ir ao cinema assistir por falta de vaga, e tive que esperar pra ver em fita VHS. Quando ela chegou à locadora foi um corre corre de tanta gente querendo assistir. Para alugar a fita, era preciso ficar numa fila de espera imensa até chegar a nossa vez. Assisti ao filme a primeira vez (das inúmeras vezes) com a minha tia, que é três anos mais velha do que eu. Uma das poucas vezes que a vi chorar, foi pela morte de Jack (Leonardo de Caprio) no naufrágio do Titanic.

....

Quantas saudades! Quase todos os dias, eu lembro momentos bons vividos neste prédio e me pergunto: Para onde foi todo mundo? Como estão? Se na época o celular e a internet fossem tão populares, será que eu teria conseguido manter essa amizade com o grupo unido?

O tempo provou que não. Consegui o MSN do meu melhor amigo da época e hoje ele está lá, igual um estranho que nem falo mais. A distância separa amizades sim, pois quando cada um vai para um lado, cria uma rotina alternada e encontra grupos diferentes do seu. Os assuntos em comum ficam escassos e o diálogo se perde.

Não há como negar: Somos próximos das pessoas quando há afinidade, assuntos semelhantes e interesses em comum. Quando cada amigo segue para um lado e passa a pertencer a uma tribo diferente, a distância esfria relacionamentos e os assuntos de interesses opostos cortam as relações. Tudo muda, nada é mais como era antes.

Titanic tem um pouco a nos ensinar sobre desprender de algumas coisas passadas e deixar a vida fluir. Lembra do gritinho da velhinha ao jogar nas profundezas do mar o tão procurado Coração do Oceano?


Queria esse coração pra mim

Fiquei com MUITA raiva na hora. Por que ela não deu aquela jóia valiosa para quem tanto procurava? É que, para ela, não fazia mais nenhum sentido manter a lembrança materializada de um momento bom, que não volta mais. Há momentos em que é preciso se desprender do que nos prende ao passado para poder seguir adiante, antes que a saudade se transforme em dor.


Cena que imortalizou o sucesso do Titanic nos cinemas

10 comentários:

  1. Eu chorei horrores qdo o Jack afundava, mas eu choro mto mesmo. Demais!! Um ex ficou com vergonha de mim qdo fomos assitir "Dançando no Escuro" no cinema, até a mãe dele depois veio saber se estava tudo bem comigo. kkkkk

    Oh, tem coisas que vão e vem. Na minha infância era moda festa de 15 anos, depois não era mais, e há pouco tempo soube pela minha dentista que voltou.

    Eu acho que a amizade nem a distância não separa. Acontece que a amizade modifica, nunca tem mais aquele cumplicidade do dia a dia, mas o amor, o carinho estão ali. Se um dia vc precisar, seu amigo estará lá por vc, mesmo não sabendo direito pq. está lá.
    Tenho inúmeros amigos que não vejo há anos, que me comunico mais pela internet, mas o carinho, as palavras, sempre vem do coração qdo conversamos. Vez ou outra consigo encontrar alguém e é uma sensação tão gostosa! Acho que a saudades, a carência da pessoa se reflete no encontro, sei lá... mas mundos diferentes, então por mais que haja juras de "dessa vez vamos nos ver mais", isso nunca acontece.

    Bjo!!!

    ResponderExcluir
  2. Ah, eu tinha uma galera muito legal no meu antigo prédio tb. Mas a mesma coisa aconteceu, uns foram pra fora do RJ, 2 morreram e outros eu não sei.
    Mas me lembro desse lance de todo mundo na casa do outro, no play... sempre tinha um pai responsável por dissipar o grupo e fazer cada um voltar pra sua casa. A gente brincava na rua, entre os prédios, era muito divertido, não tinha essa violência que tem hj e os pais relaxavam e confiavam que os porteiros ficassem de olho. A minha infância foi muito legal...

    Seu post me deixou um pouco nostalgica. Snif...

    ResponderExcluir
  3. Lembrei quando o 1o morador, o Luís do 501, do prédio comprou um vídeo cassete. O 1o do prédio, mó novidade!!! =) #velha

    ResponderExcluir
  4. Fil, meu eterno estagiário...pena que as amizades antigas se distanciam, mas que bom, que ótemo que fizemos novas.

    Adoro vc, menino,que é um amigo que fiz na minha vida nova de jornalista!!!

    Sucesso!!!

    ResponderExcluir
  5. Nossa.. Quase chorei lendo teu post!! Eu vivi td isso que vc viveu.. Só que eu morava em casa e nao em predio. Hoje nao tenho mais contato com quase ninguem.. E sobre o Titanix.. Eu vi no cinema.. E sai de la com dor de cabeça de tanto que chorei.. E choro ateh hj se ver.. heheh.. Saudades da Infancia.. E preucupada com os meus futuros filhos.. Como sera que vai ser qdo eles estiverem com 7 anos de idade?? Tenho medo!!

    Bom find!!

    ResponderExcluir
  6. Ahhhhhh anos 80... infância feliz... Mas Filipe.. eusou do tempo que tu fazia xixi na rua na praia.. heheh e a tua mãe corria atrás de ti.. eu nunca vou esquecer isso!!! Sou do tempo da brincadeira de taco e das "guerrinhas" de rua no rincão.. e dá-lhe Rua Urupema... Do chup chup!! da Kombi da Pão Quente vendendo sonho fofinho...

    Da dona Loiva no São Bento...
    Da brincadeira do copo... de ver o filme dos 3 solteirões e um bebê e procurar a criança atrás da cortina... ESPÍRITOS!!!
    EU SOU DO TEMPO DA REVISTA MEU AMIGUINHO... DO AQUAPLAY, dos ursos peposos... Lu patinadora e do He-man ( e a gente não tinha nem noção que ele era gay.. o que, que era gay mesmo???... nem sonhava que existia isso...) !!!

    Só sei que depois disso.. o mundo virou uma Zona!!! Tudo é liberado.. tudo é preconceito...
    Tudo ficou ridículo! BANAL,
    ABSURDO!!!!!
    CAMPANHA PELA VOLTA DA MORAL E DOS BONS COSTUMES!!
    Filipe... não pode mais fazer xixi na rua, tá!! heheh bjoss

    ResponderExcluir
  7. Meu pai assinava a revista MEU AMIGUINHO pra mim... tb tinha um aquaplay, ursinha peposa, jogo da vida, bate palminhas...
    e tu me assustou com a historia da maria sangrenta hauhauah
    e amizade resiste a distancia sim, tenho amigos q posso ficar anos sem falar mas qd encontro eh como se nada tivesse mudado, mas claro q tem aqueles que mudam sim...

    ;**

    ResponderExcluir
  8. Vcs viram a Thaise, como revela os meus podres? ahauhauaha

    Gostei muito de quem participou ou pretende participar com comentários neste post, afinal de contas, quem de nós não tem saudades e histórias para contar de uma infância que ficou para trás?

    êê vida que passa cada vez mais rápida =]

    ResponderExcluir
  9. Muito interesse o post... tenho 27 anos e vivi muitas coisas que vc citou...

    Aproveito para deixar uma mensagem e desejar ótima semana!

    "Deus tem um propósito eterno a nosso respeito, e é que sejamos semelhantes a Seu filho; e para que isso se concretize, precisamos estar quietos em Suas mãos. Ouvimos tanto falar em atividades, que talves precisemos conhecer o que é estar quieto". (Crumbs)

    ResponderExcluir

Aqui, a Liberdade de Expressão fica por sua conta :)

Compartilhe

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Dicas Ocioso