segunda-feira, 25 de julho de 2011

Acabar com a própria vida não é o fim do sofrimento

A segunda começou com minha tia participando do sepultamento de uma amiga que estava no seleto grupo de suas melhores. Com corda na mão e uma mente que nós não sabemos o que se passava (nem podemos julgar), ela interrompeu o ciclo da própria vida na tarde de domingo. O gesto “terminou” com o sofrimento de uma pessoa, mas abriu as portas para o sofrimento de muitas outras que gostavam dela. Principalmente os dois filhos que ficaram. Uma jovem de 15 anos e uma criança de três.

Jornais nunca noticiam estes casos por questão de ética, respeito aos familiares e para não incentivar quem está com mente fraca a cometer tal absurdo. Nós também não devemos julgar o que leva uma pessoa praticar esse atentado contra sua vida. Mas não sejamos hipócritas. Todos nós refletimos quando sabemos de casos deste gênero. O nosso julgamento mental é inevitável e se for certo ou não, somente Deus poderá responder. Cada um cria uma tese e guarda para si, em sinal de respeito pela dor da família.

Não sou pai, não tenho esposa, moro com meus pais e irmão, e amo todos de paixão. Eu me imagino no lugar da criança que tem a infância destruída por desistência da parte de um dos pais, sabe? Eu, hoje, não conseguiria atravessar meus desafios sem o apoio dos meus pais. Quem dirá no auge da minha adolescência ou infância. Dizem que em primeiro lugar devemos ter o amor próprio. Mas e o amor daqueles que amam e depende da gente, não conta? Que direito eu tenho de acabar com meu sofrimento para começar o dos outros?

Antes que alguém venha dizer que estou me metendo onde não devo e nem fui chamado, saiba que não estou citando nomes para preservar as pessoas. Portanto, posso falar tranquilamente sobre o assunto e manifestar meu ponto de vista. Cada ser humano carrega uma história de vida única. As dores físicas e psicológicas são pessoais e intransferíveis. Por maior tempestade e desespero que alguém esteja enfrentando, eu não consigo imaginar que quem acaba com tudo (de forma artificial) não pensa naqueles que ficam.

Há algumas semanas, uma jovem médica - amiga da minha prima - enterrou sua mãe que foi vítima do câncer. Ela lutou e fez todas as cirurgias possíveis, mas como já estava espalhado pelo corpo... partiu com pouco mais de 50 anos. Lá estava uma família de luto, desesperados com a ausência que fica, mas orgulhosos porque ela fez tudo que podia para continuar vivendo. Agora volto para estas duas crianças órfãs de mãe. Como ficam?

Quem vai prepará-las para enfrentar esse mundo rebelde, interesseiro e feroz? Quem vai fazer carinho e aconselhar nos momentos de maior fraqueza? Quem vai responder suas dúvidas e dar coragem para que enfrentem o mundo de cabeça erguida? O pai? Sinto muito, mas carinho de mãe e pai são insubstituíveis. Um complementa o outro, nunca substitui. Tem horas que eu não entendo certas coisas da vida e nem a decisão de algumas pessoas, então me vejo obrigado descarregar o que penso e sinto neste blog. Até porque o blog é meu, então eu posso.

Muitos pais sacrificam sua vida para dar o melhor aos filhos. Muitos filhos já desistiram de algumas escolhas para não magoar os pais. O amor próprio deve, sim, vir em primeiro lugar. Todavia, isso não lhe dá o direito de acabar com a felicidade dos outros. Principalmente de quem mais te ama. Se por ventura, alguém muito triste e desiludido da vida estiver lendo este texto que achou na internet: pense, reflita e ignore qualquer ideia de suicídio. Há sempre alguém que te ama, precisa de você e quer te ver feliz. Seja no plano físico ou espiritual.

Nestes momentos complicados, lembre-se: "A tempestade vai passar".


Tribulações vencerei. As aflições superarei...

29 comentários:

  1. Que bom seria se todas as pessoas tivessem uma visão real do que é a vida e como é a morte. Muitas dores seriam amenizadas e o ser humano viveria plenamente.

    ResponderExcluir
  2. Vejo pessoas que cometem suicídio como pessoas fracas e egoístas. Por mais que eu não tenha direito de julga-las, que cada um sabe o que passa na vida, ainda assim, acredito que não se pode acabar com a própria vida e achar que terá um ponto final. Ninguem é sozinho no mundo e tudo que fazemos, interfere de algum modo na vida das pessoas que nos cercam. Ninguem sabe e nunca saberá o que se passou com ela, mas todo problema no mundo tem uma solução. Segurar na mão das pessoas que nos amam, deixar o orgulho de lado e pedir, que por um momento, ela nos ajude a dar o próximo passo é o melhor a fazer. Sempre existirá alguém, que sentira a sua falta. Seja no trabalho, na escola, seu namorado(a), seus amigos, seus conhecidos, ate mesmo na internet, você vai fazer falta a alguem.

    ResponderExcluir
  3. Oi Lipe!
    Muito triste o que ocorreu, eu conheço o pai dessas crianças, e que Deus o ilumine.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Então, achei esse link enquanto passava pelo ocioso.
    Após ler o post e os comentários eu resolvi dar a minha opinião sobre este fato, na verdade não é bem dar a minha opinião e sim falar como uma pessoa que tira a própria vida se senti.
    Bem, eu tenho 19 anos e me chamo Elaine, e eu penso todos os dias em tirar minha vida, a dor que eu sinto é inexplicável mais é real. Quando li no post que se alguém que estivesse pensando em suicídio parasse e pensasse achei meio engraçado, varias vezes eu parei e pensei e só achei mais motivos para ceifar minha vida, as pessoas que chamam os suicidas de egoístas não sabem o que sentimos, e mesmo falando que não querem julgar pois só quem pode julgar é Deus estão nos julgando sim.
    Sei que muita gente que ler meu comentário ira me chamar de egoísta e mais um monte de adjetivos que nem faço questão de saber, eu apenas vim falar da dor que é pensar em tirar a própria vida.
    Eu também já chamei varias pessoas que se renderão a dor de egoístas e covardes, mais quando eu passei a sentir a mesma dor eu descobri o porquê da rendição...
    Acho que isso esta meio confuso.
    Beijos
    Att

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa sua resposta. Fácil falar que o outro é egoíta por querer deixar de viver. Não suporto ter que acordar a cada dia me sentindo uma perdedora, uma incapaz de me realizar, sou egoíta por não querer viver ou é egoista quem não aceita que eu me livre de tanto sofrimento? Quem sofre e chora diariamente sou eu, sei o que é ansiar pela morte, não aceito que me julguem pois só eu sei o que se passa.

      Excluir
  5. Laine

    Admiro sua coragem em compartilhar seus problemas de forma tão serena neste blog.

    Fico com pena que vc tenha estes pensamentos, e - quanto mais reflete sobre a situação - pior fica.

    "Um suicida não quer se matar, mas sim matar a sua dor. Ele ama a vida, mas não suporta sua dor". Li isso no "Futuro da Humanidade" de Augusto Cury, o qual recomendo leitura pra você.

    Tive pessoas próximas de mim que tinham pensamentos iguais o seu. Não encontravam mais razão para continuar...

    Neste caso, a religião ajudou. Fé sempre renova a gente. Não importa a religião, mas sim a crença em um Deus bom e justo no seu coração.

    Experimente, busque frequentar várias celebrações em vários lugares até você ver qual te toca mais e te encaixa. Eu custei achar algum lugar que tocasse no meu coração.

    E quando a gente encontra, voltamos encontrar razão para viver. Nossa dor dissipa, os olhos brilham e a gente volta sorrir na esperança de dias melhores.

    Paz e bem!

    ResponderExcluir
  6. Bem , tenho 15 anos e aos 11 perdi minha mãe (acidente vascular cerebral) e desdo o ocorrido , meu pai vem fazendo o papel de pai e mãe. Concordo quando diz que amor de mãe é insubstituivel , mas a vontande de um pai batalhando para que seus filhos (tenho uma irma de 18 , que tinha 14 na epoca)tivessem uma vida normal é incrivel. É indiscritivel. Porém ele não é capaz de tudo , o que me fez se tornar maduro muito mais cedo que meus amigos , intendo que a vida não é facil , porém muito boa. O que resta agora para essa adolescente que perdeu a mãe e à criança , é um pai que ira batalhar muito e com certeza dara seu melhor. Que ele seja bem sucedido na sua missão.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo post

    Conheça o novo agregador de links www.surpriselink.com/Inicial nele você pode enviar links com imagem e sem imagem, enviar links com liberação imediata, widgets customizados para seu site/blog e o novo sistema de mensagens e amigos para você convidar outras pessoas a visitarem seu blog.

    Lembre-se quanto mais links você tiver na net, mais facil os buscadores acharão seu site/blog.
    Liberação de link imediata é bem melhor que ficar esperando não é? Então faça uma visita agora mesmo...

    ResponderExcluir
  8. Olha, perdi a minha mãe já faz 3 anos e recentemente tive uma grande disilusão amorosa, além de varias outros problemas, como bullying na escola quando era mais novo, mas em momento algum pensei em morte, sabem pq? Pq não sou doente! Para uma pessoa chegar no nivel em que precisa se matar é pq esta doente, muito possivelmente com depressão, não importanto quão feliz seja o meio onde ela vive, já que depressão pode ocorrer por diversos motivos. Se essa sua amiga cometeu esse ato lamentavel, não foi egoismo, ela estava doente e precisava de ajuda. É como o meu professor de psicologia disse "Quem diz que quer morrer realmente não faz isso, é apenas uma forma de chamar atenção. Apenas aqueles que não dizem é que são capazes de cometer o ato em si." Então, prestem mais atenção nas pessoas que vocês amam, elas podem aparentar estarem felizes, mas sempre existe um sinal de que algo esta errado.

    ResponderExcluir
  9. Foi a coisa mais sensata, coesa, coerente e animadora que li na internet por esses dias. Parabéns pelo texto e por passar essa mensagem dura (para alguns), porém verdadeira!
    Excelente, adorei mesmo!

    ResponderExcluir
  10. Dell

    Fico sem palavras é com o amadurecimento das pessoas em conversar francamente sobre o assunto, trazendo seus casos e opiniões, além de defender seu ponto de vista com respeito as opiniões diferentes.

    Bacana mesmo...

    Dizem que se conselhos fossem bom a gente não dava, mas vendia. Porém, nem tudo que é gratuito é ruim. O oxigênio, por exemplo, é grátis e fundamental pra viver.

    Que meu desabafo e os comentários aqui presentes possam ajudar, de uma forma ou outra, bastante gente :)

    ResponderExcluir
  11. Sinto que desabafou neste post...
    o suicídio é um mistério, há várias teorias, mas o motivo real de cada pessoa ninguém irá saber... uma incógnita!
    Resta apoiar esses que ficam e sofrem. Nesse caso, meu Deus, 2 crianças, mto triste mesmo!!!

    http://olhardepsicologa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Pensar na possibilidade do suicidio trás um alivio. saber q se tem o poder nas mãos de acabar com o sofrimento q se sente é o único e verdadeiro poder q temos. isso não quer dizer q precisamos chegar a esse extremo. terapia e remédios controlados receitados pela psiquiatra ajudam de maneira inacreditavel, há alguns anos eu achava q não suportaria, q me mataria , mas qdo busquei ajuda médica e terapeutica tudo ficou mais claro, menos confuso, menos dolorido.Conviver com uma doença psiquiatrica não é facil, ainda mais quando se soma as mazelas do dia a dia de qqr pessoa, mas eu garanto, com ajuda terapeutica e médica é possivel suportar a dor.E viver uma vida quase q normal. Sou psicotica, tenho F29 e consegui superar muita coisa graças a ajuda q tive.

    ResponderExcluir
  13. Parabens...Valeu o texto..Acho que estava precisando ouvir isso. 0 melhor ler...

    ResponderExcluir
  14. Acho que quem comete suicídio está doente e desesperado. E ponto. Não cabe a nós, meros seres humanos, fracos e egoístas julgarmos essas pessoas. Qualquer um está sujeito à isso. E não me venham com papo de que Deus não perdoa e essa baboseira toda.

    ResponderExcluir
  15. Não sou frequentadora do blog, mas estava procurando algo diferente para ler e “esbarrei” nesse assunto delicado. Por que alguém quer suicidar? Eu como já tentei um suicídio e felizmente fracassei, sem seqüelas, posso dizer o que passa na mente.
    Primeiro não queremos só acabar com o sofrimento, é também um grito de socorro ou muito mais do que isso é pura birra. Estamos tanto tempo lutando com aquele mal estar, tristeza, angustia, ira, duvidas e inseguranças, que acabamos achando que morrer é a solução.
    Às vezes, as pessoas próximas a nós, acabam acostumando se com aquela “personalidade” que nós, depressivos, desenvolvemos e nos ignoram completamente, isso na visão de um depressivo. Pois, as pessoas que nos amam não esquecem e sempre se preocupam com o nosso bem estar.
    Um depressivo é uma pessoa extremante egoísta e egocêntrico e estas “características de personalidade” em exagero é doença, que acaba causando tristeza, angustia, preguiça, duvida, insegurança, bipolaridade, uso de drogas, álcool, bulimia e entre outros. A pessoa se sente confusa imagina que “ninguém” esta lhe ouvindo, prestando atenção ou fazendo suas vontades e acaba fazendo a besteira. Não pensa nas pessoas queridas que vão sofrer, pois é isso mesmo que os suicidas querem, que sofram, sintam pena de nós e culpa por não terem feito “nada” a respeito, sintam a minha dor que carregue a vida toda. Por isso que suicídio é birra ao extremo.
    Mas, essa dor que carregamos é de livre espontânea vontade. Essa dor, quem tem que tirar é a própria pessoa e não os familiares, parentes ou amigos. Ai vocês devem estar se perguntado, é só deixar de pensar em coisas ruins. Então os digo, não é fácil pára de pensar nas coisas ruins, porque parece droga, o celebro fica lembrando dos “traumas” para apontar o dedo na cara das pessoas e depois justificar os seus atos ruins e fracassos. A gente fica presa nas lembras do passado e na confusão de sentimentos tentando entender por quer de tudo aquilo ter acontecido com ela, como se ninguém mais tivesse problemas, isso é viciante.
    A origem desse sofrimento todo é a falta de amor, em algum momento da vida ela desaprendeu a dar e receber amor, por isso ficou tão egoísta e egocêntrica, ficou com a alma doente. Muitos, que nem ela e eu, não sabem (sabiam) que estão com a alma doente, a única coisa que precisa é ter consciência disso e aprender a dar e receber amor.
    Nesse momento a paciência dos entes queridos é muito importante para a recuperação da sanidade. Nada de ficar apontado o dedo para pessoa emocionalmente doente, você só estará contribuindo para sua coleção de traumas, o segredo é paciência e amor. Tente mostrar que ela precisa de um tratamento, pode ser um acompanhamento psiquiátrico ou tratamento em grupo.

    Pra mim, idas ao psicólogo, psiquiatra e remédios não me ajudaram, o que me fez entender que eu estava doente foi terapia em grupo, toda semana vou as reuniões do N/A (Neuróticos Anônimo) e já pude perceber uma melhora significativa em minha vida, sou uma pessoa doente, mas tenho cura. Não quero, nunca mais sentir esses sentimentos perturbados e nem ter surto.Agora, depois de muito tempo, sinto o que é ter tranqüilidade. Pude perceber que a vilã da história era eu e o mais louco é que eu dava “tiros” no meu próprio pé, ou seja, quase sempre eu era prejudica. Descobri que problemas na vida das pessoas saudáveis são apenas uma pedra chata no caminho perfeitamente superável. Para mim, na época, problemas significavam mais uma montanha na minha coleção que teria arrastá-los para vida toda. Hoje joguei fora todas as minhas montanhas e nunca me senti tão leve.
    Ainda estou em faze de recuperação às vezes tenho recaídas, mas sei que só é mais uma crise logo vai passará.

    Meus pêsames a essa Senhora, mãe de dois filhos, num momento de surto e vingança, acho que seria melhor morrer. Mas como toda birra o mais prejudicado é a própria pessoa.

    ResponderExcluir
  16. Srtª Su.

    Acho que nunca alguém falou tão profundamente e com tanta clareza sobre o que se passa na mente de um suicida.

    Meus parabéns por tão sábias palavras. Quem dera o seu depoimento e o dos outros aqui aparecessem na frente de uma pessoa que está naquele instante de loucura.

    Obrigado pelo depoimento, ele contribuiu muito mais que a minha postagem.

    Abraços e sucesso nessa nova fase da vida :)

    ResponderExcluir
  17. Obrigada Felipe pelo apoio.
    Sei que é uma jornada longa, mas estou cheia de força e fé para segui-la e recuperar a minha sanidade plena.

    Abraços e felicidades.
    :)

    ResponderExcluir
  18. Pois é, assunto complicadíssimo, e é muito bom por parte da imprensa não banalizar o assunto... por que não fazem isso com os homicídios? quer dizer, não podem "influenciar" ninguém a tirar sua própria vida, mas podem "influenciar" a tirar a dos outros... meio estranho isso...

    ResponderExcluir
  19. Rafael


    É que a linha do homicida e de um suicida é bem diferente.

    Um suicida está fraco mentalmente, e, pelo desabafo da Srta Su, quer achar uma forma de acabar com sua dor buscando fazer algo contra si por birra. Está nem ai pelos outros e acha que ninguém vai ligar pros seus sentimentos, etc.

    Já o homicida é um bandido, marginal. Mata os outros pelo prazer de matar, por querer algo em troca.

    Ou seja: um suicida é uma pessoa boa e frágil que precisa de ajuda. Já o homicida é uma pessoa má que precisa ficar atrás das grades pelo resto da vida.

    Estudar a cabeça de um homicida é complicado. Ele vem com um distúrbio mental grave - onde falta o respeito pelos humanos - e quer descontar nas outras pessoas. Basta ver os ataques em escolas, acampamentos, etc

    Difícil encontrar ajuda ou tratamento para uma pessoa que desconhece limites e respeito.

    ResponderExcluir
  20. Esse texto fez uma lagrima escorrer em meu rosto.
    me fez refletir, a vida nos ensina muita coisa, os momentos difíceis são os que mais vão nos ensinar a viver. Parabéns pelo post

    ResponderExcluir
  21. Lindo o texto! Você escreve muito bem de forma que prende a gente até ao fim da mensagem que você quer passar. Parabéns =**
    Claudia Leite ( Não é a cantora ¬¬)

    ResponderExcluir
  22. Eu acho que quem as julga como fraca na verdade não sabe do que está falando.
    Cada um faz o que quiser, a morte é algo que vem para todos e a dor da perda passa com o tempo.
    O que mais vejo na internet são pessoas falando que não julgam, mas que as chamam de fracas. Isso se chama o que?¬¬

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Eu tive um amigo bem chegado que se matou muito jovem, aos 18 anos.E na época me martirizei bastante me perguntando como não percebi que ele estava sofrendo,precisando de ajuda.Sim,porque ele era sempre muito divertido,tinhas vários amigos e que eu saiba uma ótima relação com a família (a vó até hoje, depois de mais de 15 anos ainda sofre muito a falta dele)Como eu não vi?
    Pra quem fica,só resta tentar entender e as lembranças boas.

    Volta e meia venho por aqui (confesso que andava sumida) e fiquei muito orgulhosa (me achando íntima) de você, por ter ajudado (mesmo não sabendo,tenho certeza que ajudou)algumas pessoas.Muito interessante os comentários,principalmente os da Laine Dene e da Srtª. Su.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  25. http://www.youtube.com/watch?v=Y6tJ81g-xPc&feature=mh_lolz&list=HL1312980582
    gata dando close

    ResponderExcluir
  26. vai toma no cu e se mate duma veiz

    ResponderExcluir

Aqui, a Liberdade de Expressão fica por sua conta :)

Compartilhe

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Dicas Ocioso