terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Deixa que digam, que pensem e que falem

É tão chato quando você pensa que esta fazendo tudo certo, e aparece alguém cortando o teu barato pedindo para mudar. Nunca fui bom em aceitar críticas ao meu respeito, mas sempre ouvi com muita propriedade o que as pessoas têm a me falar. Se for algo destrutivo, ignoro completamente. E se for construtivo, fico ali para ouvir tudo até o fim. Prefiro mil vezes quem me procura para dizer o que não gosta em mim (na minha cara), do que quem sai por ai atirando pedras e manchando a minha reputação na surdina.

O fato é que você nunca vai conseguir agradar todo mundo. Na internet, por exemplo, se fico sério não agrado quem se identifica com o meu lado bem humorado. Se viro um bobão postando bobagens para se divertir e descontrair nas redes sociais, acabo afastando quem está ali só para ler coisas sérias. Tu podes ouvir todos os conselhos do mundo, seguir à risca o que as pessoas têm de sugestão (até porque na avaliação delas, elas é que sempre estão certas), mas não adianta. Vai ter sempre alguém para reclamar e dizer que gostaria que fostes diferente.

Citei o exemplo da internet, porque é o meio que mais recebo críticas e elogios. Uns se identificam com minha forma espontânea e brincalhona de se comunicar, já outros acham que isso prejudica minha imagem e recomendam mudar a postura nas redes sociais. Ou seja, nunca vou agradar todo mundo. Por isso acho que cada um deve interagir da forma que se sente melhor, desde que não prejudique e nem calunie a imagem de ninguém. Quem não se identifica, é simples: o unfollow/desfazer amizade é serventia da casa.

São poucos capazes de entender quando você posta algo com ironia, humor, sarcasmo ou por descontração. Vejo as redes sociais como um grande playground onde as pessoas estão ali para brincar, interagir e falar assunto sério. A Karini Lima postou no Facebook algo que resume bem o que eu acho das pessoas que querem passar uma imagem toda "politicamente correta" no mundo virtual. Espia:


Perfeito!

Não suporto quem quer pregar uma imagem de politicamente correto na internet, sendo que na vida real faz mais "merda" que quem posta as besteiras e se diverte pela rede. A questão é simples, não existe o certo e o errado nas redes sociais. Existe sim o que cada público ou amigo se identifica. O que é errado mesmo continua sendo denigrir, caluniar, roubar e matar.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Quero amor sincero, isso que eu espero...

No amor, há quem me ache pessimista por desacreditar nas promessas feitas por 90% dos casais. Outros me chamam de recalcado por estar solteiro e sem ninguém. E há aqueles que me colocam na categoria dos gays por seguir na contramão do instinto masculino de passar o rodo e sair pegando geral. Tudo bem, opinião é que nem o toba não é mesmo? Cada um tem o seu, dá quem quer e outros soltam merda demais.

Eu só acho que entre escolher alguém que mude o status do seu Facebook, prefiro procurar alguém que mude toda minha vida. Sigo o pensamento de Maria Callas: "Prefiro andar só a me relacionar com imbecis". Está cheio de imbecis por ai namorando porque dá "status". Seja na rede social, familiar ou entre amigos. Nem se amam, mas estão juntos por comodidade. Eles cansaram de procurar alguém que valesse a pena e escolheram o primeiro que apareceu na lista. 

Olha. Não é que eu seja pessimista, mas quando alguém fala que está num "amor eterno" eu fico contando quantos meses vai durar essa "eternidade". Porque, né? Tem gente que acha o amor eterno umas cinco vezes por ano. Orkutizaram os sentimentos. Banalizaram a palavra "Eu te Amo". Espalham palavras fortes e criadas para serem ditas no ápice dos sentimentos, como quem diz "Bom dia". Anunciam para todo o mundo o início do namoro, mas depois ficam com vergonha de mostrar a separação e o fracasso da relação. 

Por favor, vamos medir melhor essas palavras. Não joguem fora declarações importantes como quem diz "estou com fome". Aos casais que permanecem juntos: cuidem-se, amem, zelem um pelo outro, façam declarações sensatas e sinceras. Não abusem das frases românticas prontas e ditas da boca pra fora com o coração vazio. Valorize realmente quem te quer bem e faça juras de amor eterno somente se tiveres a certeza disso, em momentos importantes.

Para quem está solteiro, assim como eu, não desanimem. Tenham calma, paciência e esperem o coração bater mais forte antes de sair namorando qualquer uma por "pressão da sociedade", status ou impulso. Buscar um relacionamento no auge da carência é como ir ao supermercado com muita fome: Qualquer porcaria serve. É isso gente... abram os olhos e amem muito, mas amem com sinceridade. O que você diz pode conseguir enganar outra pessoa, mas nunca o seu coração. Como dizia o nosso Tim Maia: "Quero amor sincero, isso que eu espero..."


Eis alguns desejos para este mundo:

Por um mundo com menos amor eterno e mais amor presente!

Por um mundo com menos "te quero para sempre" e com mais "te quero enquanto vc me fazer sorrir"

Por um mundo com menos "se cuida" e mais "to indo ai cuidar de você".

E por um mundo com menos "saudades" e mais "abre essa porta que estou aqui te esperando".

domingo, 11 de novembro de 2012

Apenas mais uma de amor...


Uma amiga distante veio desabafar sobre as suas desilusões amorosas. Disse o quanto lutou para manter o último relacionamento, abriu o coração, foi atrás e só levou um pé na bunda. Tive que aplaudi-la... Gosto de gente assim que sabe se entregar e lutar por quem gosta. Eu sou o oposto, não sou bom em demonstrar o que sinto.

Não consigo dar devida importância pra quem gosto, para não deixar a pessoa orgulhosa em ver o quanto sou dependente dela e abrir brechas para pisar e fazer o que quiser comigo. Sou orgulhoso, inseguro e prefiro sofrer calado. A todas as pessoas que mergulham nos seus sentimentos sem medo de pagar o preço alto de saírem machucadas, recebam a minha eterna admiração!

Enquanto isso eu vou vivendo no ritmo da canção de Lulu Santos e deixando tudo assim, subentendido.


Pode até parecer fraqueza, pois que seja fraqueza então... 

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Derrotado rouba troféu para se sentir vitorioso

Nunca tive pena alguma por bandido ou ladrão, mas ao ler essa nota publicada no jornal Diário de Notícias de quarta-feira (24/10) mudei completamente o meu sentimento de compaixão. Cansado de acumular derrotas na sua vida, um sujeito resolve invadir uma empresa e roubar todos os troféus que lá existiam. É claro que o crime nunca compensa né, e no final ele se deu mal. Espia a matéria:















Campanha: doem um troféu para o ladrãozinho derrotado!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Delícias gastronômicas em fotos

Como diz o ditado: "quem é vivo sempre morre, né?" NÃO PERA! Acho que era mais ou menos assim. Para provar que estou vivo, cá estou eu postando mais uma bobagem neste blog abandonado. E já que vocês estavam com fome da minha presença (só que não), estou aqui para saciar esse vazio com um monte de fotos de comidas. Por sinal, uma mais linda que a outra. Espia ai, de preferência com barriga vazia se fores capaz ;P





































OK, JÁ CHEGA! Estou morrendo de fome aqui :x

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Geração burra (by Égle Vitali)

Quase um mês sem atualizar este blog. Definitivamente estou sem inspiração para escrever e sem tempo para me dedicar este espaço... acontece. Para retirar o pó deste ambiente, compartilho com vocês um desabafo de Égle Vitali publicado no seu Facebook que fala sobre a juventude atual. Vejamos...

Geração burra

Perdoem-me a franqueza, mas essa geração de adolescentes e jovens não merece outro adjetivo. Nunca foram tão livres para fazer suas escolhas. Nunca tiveram acesso a tanta informação. Nunca foram tão alertados sobre o perigo que é andar pela via das Drogas. Nunca foram tão ouvidos como agora. Nunca tiveram tanta opção de lazer e entretenimento como nos dias atuais. E O QUE ELES FAZEM COM TUDO ISSO? Nada! 

Se drogam por nada. Se prostituem igual animais. Não demonstram uma vírgula de respeito com os mais velhos. São vadios, porque só precisam estudar, mas quando chegam em casa só sabem ficar com o celular na mão ou na frente do PC. Lavar uma louça é tarefa árdua demais para uma moça de 15 ou 18 anos da atualidade, e pensar em trabalhar ou manter o quarto organizado para um cara da mesma idade é crime. Francamente. Geração BURRA!

Reclama de falta de oportunidade e quando ela se posta GIGANTESCA diante deles, tudo o que eles querem é cair na folia. Agora tudo é bullying. Nas escolas, batem nos professores, ofendem os colegas por coisas estúpidas ao ponto de obrigarem as instituições de ensino a usarem câmeras para identificar os "desajustados" que os papais da nossa época estão criando. Quando se chega a esse ponto, deve-se no mínimo ter a coragem e a decência de analisar os fatos e decidir mudar essa história.

Adolescentes e jovens estão fracos da ideia e fracos no caráter. E a culpa é todinha da família. Ninguém mais se respeita. Ninguém mais tem controle de nada. Ninguém mais quer saber do que é certo, ético, moral... vai exigir o que dos filhos, meu filho? Me dá um arrepio só de imaginar como vai ser o mundo daqui há 20 anos. E que me perdoem os adolescentes e jovens que não mereciam ser incluídos neste desabafo!

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Alguém te perguntou como é que foi seu dia?

O médico e escritor Roberto Shinyashiki relatou estes dias no Facebook o seguinte: "Estou em um hospital de primeira linha após um problema na perna. Fico impressionado com a desumanização do atendimento hospitalar. Em um momento de fragilidade, é muito raro alguém que nos olhe nos olhos e converse com respeito e atenção. Se isso acontece com um médico respeitado como sou, imagino como esta o atendimento nos hospitais públicos. Queremos mais humanidade..."

Sabe o que é isso? Falta de amor pela profissão e interesse pelo próximo. Está cada vez mais difícil encontrar alguém que trabalhe por paixão. A maioria só quer saber do salário e está pouco se lixando com as pessoas que lida diariamente. Onde foi parar o amor ao próximo? Cadê o respeito? Essa falta de carinho não é exclusiva da medicina, mas sim de todas as profissões. Há médicos, professores, advogados, jornalistas, autoridades e outros profissionais que estão nem ai com as pessoas que trabalham. Elas que morram.

Até no relacionamento de diversos casais o amor está esfriando. A rotina do trabalho não deixa tempo para almoçarem juntos, e mesmo quando estão em casa cada um fica no seu computador. Saudades do "Oi, tudo bem?" "Como você está?" "Posso te ajudar?" "O que aconteceu?". Vejo o ser humano se fechar como uma ostra. Não é a toa que as ligações para o Centro de Valorização à Vida (CVV) têm disparado em algumas cidades, com pessoas angustiadas e depressivas precisando de alguém para conversar.  

Antigamente era comum a vizinhança se conhecer, cumprimentar e conversar na varanda de casa. Já hoje, nem sabemos quem é a pessoa que mora na porta da frente do nosso apartamento. O tempo passou e, com ele, ganhamos agilidade nas tarefas diárias por conta da tecnologia. Em compensação, perdemos o contato com as pessoas e nos tornamos "sentimentalmente frios". As máquinas sem vida ganharam tanto espaço na sociedade parecendo que, também, substituíram o nosso coração. Cada um se importa só com o seu umbigo e o restante que foda-se.

Como diz a letra da música do Charlie Brown: "Alguém te perguntou como é que foi o seu dia? Uma palavra amiga, uma notícia boa. Isso faz falta no dia a dia..." 


E como faz =/

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

terça-feira, 28 de agosto de 2012

A verdadeira Fé

"Eu invejo as pessoas que acreditam em Deus. Elas são tão seguras que algo existe. Que belo jeito de viver... sem medo". A frase da personagem Marley Corbett (interpretada por Kate Hudson), no filme "Pronta para Amar", traduz bem o sentimento de fé existente em milhões de pessoas. É entregar-se de corpo e alma nos desafios da vida com confiança de que uma força do bem te acompanha e vai te ajudar.

Fico triste ao ver como a fé tem sido utilizada para enriquecer igrejas e os bolsos dos pastores. Um problema que se arrasta por gerações e em todas as religiões, basta ver toda riqueza da Igreja Católica existente no Vaticano. Igreja que está presente na minha religião, pois sou católico, mas que reconhece seus erros do passado e sempre pede perdão. 

Porém, o foco desta postagem não está em condenar o passado da Igreja Católica, e nem o presente de algumas Igrejas Evangélicas que viraram uma lavagem cerebral para arrancar dinheiro dos fiéis. O foco desta postagem é para mostrar que a fé em Deus vai além da religião. As religiões são coordenadas por homens e, como nenhum homem é santo, todas erram. Ninguém está escape dos deslizes, por isso compreendo os meus amigos agnósticos.

Uma fé verdadeira não precisa de recursos financeiros, pois ela se comunica com um mundo onde o dinheiro não tem valor, o orgulho não tem vez, a vaidade é desmanchada e os egos são esvaziados. A fé é a comunicação com o mundo onde o impossível torna-se possível, uma ligação gratuita com Deus. Ou, como queiram definir: "uma firme convicção de que algo seja verdade, sem nenhuma prova de que este algo seja verdade, pela absoluta confiança que depositamos neste algo ou alguém".

Para finalizar este texto de fé num Deus onisciente onipresente e onipotente, deixo um vídeo muito bonito que mostra imagens da natureza ao som de uma música dedicada para o Criador.


O Espírito de Deus está neste lugar...

domingo, 19 de agosto de 2012

Amor eterno

Quando alguém perguntar para você o que é amor de verdade, apenas mostre esta imagem e não fale mais nada...


Isso se chama Amor eterno!


"Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Dê seu coração a ele, e ele lhe dará o dele". (Marley e Eu)

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Eu te amo calado

Caramba, quase duas semanas sem postar nada aqui :O Realmente já tive mais vontade de escrever pro blog, mas essas vontades foram diminuindo com a chegada do Twitter e Facebook. O blog era uma válvula de escape para falar o que estava preso no coração, mas estas redes sociais conseguiram canalizar os pequenos desabafos cotidianos para elas. Vi muito blog que gostava de seguir ficar abandonado depois da popularização destas redes, o que realmente é uma pena. Tantas histórias lindas deixaram de ser narradas com detalhes neste blogspot.

Mas não resolvi escrever esta postagem para lamentar, certo? Mentira, a postagem de hoje traz lamentações também, mas é sobre outro tipo de abandono: o Coração (s2)... Estava lá no Twitter falando as besteiras de sempre, até que resolvi desabafar em menos de 140 caracteres dizendo:


Eis que recebo um apoio também da Re Valentin...


Acrescento o que precisamos fazer...


E ela toca no ponto X da questão


Bingo!

É ali que eu dizia. Quantas vezes gostamos de alguém, mas este sentimento não é recíproco? Por causa disso, você fica na sua sem avançar mais por medo de perder a última coisa de resta entre vocês: amizade. Para alguns é muito fácil falar "vai lá, se declara para ela" ou "abre o coração". Só que não são estas pessoas que estão na pele do apaixonado que vê sua amada deixar declarações no perfil de outro cara. ~~ Ainnn Filipe, tais apaixonadinho tá? Que lindo! Quem é ela? Vai lá abre o coração... ~~ NÃO MERDA! 

Já passei por isso, mas desencanei ao ver ela firmar um relacionamento sério com outro. Falo isso por outras pessoas que enfrentam o mesmo problema do "bloqueio de sentimentos" e que guardam tudo para si. Como é difícil se abrir para quem gosta e expor sua fragilidade perante essa pessoa, né? O medo de perdê-la para sempre é surreal... PESSOAS: eu entendo vocês! Não somente eu, mas o Lulu Santos também deve entender, pois é dele uma das canções mais lindas desse Brasil que traduz tudo isso que falei.


Eu te amo calado, como quem ouve uma sinfonia... 

terça-feira, 31 de julho de 2012

A melhor herança

Hoje os meus olhos voltaram a brilhar como há muito tempo não brilhavam mais. Não, não encontrei o amor da minha vida, se é isso que estão pensando. Eles brilharam foi de emoção por ouvir palavras tão lindas sobre a vida durante mais um Cerco de Jericó, realizado no bairro Próspera, em Criciúma. O ser iluminado que estava finalizando o sétimo encontro era o Padre Antônio Vander, e foi dele que ouvi algo que muito me tocou e deixarei aqui registrado para sempre (ou até o Google cortar o Blogspot).

Antes de morrer, muitas pessoas pensam que as melhores heranças que vão deixar para os filhos são as casas, apartamentos, carros, terrenos, dinheiro no banco e outros bens conquistados com muito suor neste mundo. Pena que elas morrem sem saber que estavam erradas. O carro de hoje fica velho amanhã. O dinheiro acaba. Aquele apartamento, casa ou terreno vai se desgastando com ação do tempo, pois nada dura para sempre. Quer saber qual é a melhor herança que podemos deixar para alguém? É a fé... quem tem fé pode tudo. Luta, corre atrás dos seus sonhos e segue persistente em busca dos seus objetivos. Mesmo que desanime em vida, ela reencontra forças para levantar.

Infelizmente muitos acreditam que as coisas duram para sempre. Fazem de tudo e passam por cima de todos em troca de dinheiro, como se fossem ficar com ele eternamente. Até a nossa vida é emprestada, e um dia vamos ter que devolvê-la para o responsável por toda essa criação e evolução humana. É ai que o bicho pega, pois a morte é dolorida para todos. Não digo no sentido físico, mas sim no lado sentimental de quem fica e viu partir para sempre aquela pessoa querida... E você, o que tem feito para deixar com as pessoas que teve o privilégio de conviver em vida? Apenas bens materiais? Ou uma herança que servirá para o crescimento pessoal e espiritual de cada um?

As palavras do padre ecoaram na minha mente... O que tenho feito para deixar esse mundo melhor do que encontrei, quando aqui cheguei? Quem me conhece sabe que sou católico praticante e tenho vários amigos agnósticos e ateus. Respeito todos, e acho interessante o questionamento de cada um sobre a fé alheia. Mas acho que a fé é muito particular e cada pessoa tem o momento certo para descobrir se precisa dela (ou não). Confesso que a minha fé andava no piloto automático, e as palavras do padre reacenderam em mim a esperança de que um mundo melhor é possível. Mesmo que existam milhões de pessoas torcendo contra e te fazendo mal, siga em frente praticando o bem. 

Pra finalizar essa reflexão, o Pe. Antônio Vander cantou uma música do espiritualista Jorge Trevisol. Foi nessa hora que os meus olhos brilharam, pois era tudo o que eu precisava escutar neste momento. Vou compartilhar aqui caso alguém leu tudo e ficou interessado... (e até pra eu ouvir mais tarde também)


O que eu penso a respeito da vida
É que um dia ela vai perguntar
O que é que eu fiz com meus sonhos?
E qual foi o meu jeito de amar?
O que eu é que eu deixei pras pessoas
Que no mundo vão continuar?
Pra que eu não tenha vivido à toa
E que não seja tarde demais... :`)

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Dinheiro não é tudo, mas é quase...

Estava conversando com um amigo esses dias, e então entramos num assunto que faz brilhar os olhos das pessoas em todos os lugares: Dinheiro! Ele estava revoltado com tudo e todos, dizendo que odiava as pessoas que ligavam pro dinheiro. Para ele, quem dá valor ao dinheiro é "Filho do Sistema". O mais importante era valorizar o caráter e a dignidade das pessoas, sem querer saber de grana, pois o dinheiro não serve para nada.

Eu aplaudi as palavras bonitas proferidas por ele, mas disse que era impossível ignorar o dinheiro. 
K-entre-nós: o que se faz nessa vida sem dinheiro? Nada cara, NADA. Não come, não passeia, não consegue uma cama confortável para dormir, não tem crédito para responder as mensagens, não adquire roupas para andar vestido... Tudo gira em torno do dinheiro, por isso tem tanta gente matando e roubando por causa dele. Eles estão errados, mas por que fazem isso? Porque a falta de grana limita as pessoas. Somos escravos do sistema, não dá para ser diferente. (Mesmo assim nada justifica roubar e matar)

Um dos caras que ele mais atacou foi o Eike Batista, por ser mais rico que alguns países da África. Segundo ele, se tivesse tanta grana iria aproveitar para ajudar as pessoas que não têm onde morar. Outras que estão doentes e não podem pagar uma consulta. E aquelas que não têm o que comer. "Meu coração aperta quando vejo crianças sem vida ou vivendo em condições desumanas", disse. Eu aplaudi, mais uma vez, sua bonita atitude e depois perguntei se ele era candidato de alguma coisa. Ops, não perguntei isso haha (era brinks). Mas falei que o lado mau do dinheiro estava na GANÂNCIA.

Quanto mais grana se tem, mais $$$$$$$$ a pessoa quer. Ter dinheiro para passear e viver bem já não basta, as pessoas precisam competir entre si. É uma disputa para ver quem tem a melhor casa, o melhor carro, o melhor celular, as melhores roupas de marca e quem viaja mais. Tem "gente", se é que podemos chamar assim, que arma até o próprio sequestro só para conseguir arrancar uma boa grana da família. Fora outros tantos que já acabaram com os relacionamentos por causa da maldita "herança familiar"... lamentável.

Sou de uma família simples, mas não me falta nada. Ganhamos pouco, só que nos viramos bem e ainda separamos uma pequena parte para compartilhar com obras de caridade. Todo mês sai 35 reais da minha conta no débito automático para uma instituição religiosa que cuida de doentes e presta um excelente trabalho de assistência social. 
Sabe quantas vezes já deixei de sair por não ter 35 pila na carteira? MUITAS. Mesmo assim nunca cancelei esse débito automático de ajuda, porque eu acho que o mundo se torna um lugar melhor se pudermos compartilhar o pouco que temos em prol daqueles que têm nada. O dinheiro não é tudo, mas para viver bem é preciso tê-lo por perto.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Muito cuidado antes de fazer ou postar qualquer "merda" por ai

"Cão que ladra não morde", já diz o velho ditado. E a internet está cheia de "cães" deste porte, "latindo" e se achando os valentões por trás do computador. Abrem perfis em sites de relacionamentos, criam blogs e canais no youtube para falar um monte de besteira sem fundamento. Atacam os outros covardemente, se acham donos da verdade e ainda pensam estar com toda a razão. Doentes... é isso que estas pessoas são.

Estes dias, um usuário do Facebook com nome "Diogo CL" postou a seguinte atualização: "Pronto, agora é só o veneno fazer efeito para finalmente o cachorro do vizinho parar de latir". Ele se vangloriava na rede por ter cometido um crime contra o cachorro. Inclusive, uma retardada (aqui posso usar nomes de baixo calão, pois o blog não é jornalístico) com nome de Letícia Phillips perguntou "Como você fez?", e recebeu a resposta: "Chumbinho dentro do pedaço de carne".

Na mesma hora, associações de proteção aos animais se mobilizaram para denunciar este ato covarde e criminoso do cidadão em questão. Ele achou que não iria responder pelos seus atos, e que a internet é um espaço livre para falar qualquer merda sem retaliação. Sim, a internet é um espaço livre e democrático, mas a partir do momento que você usa para atacar alguém ou dar publicidade para atitudes criminosas, fique ciente que haverá consequências. Aqui se faz, ali se paga.

Eis que estou navegando pelo site G1 de Santa Catarina e vejo: Rapaz diz pelo Facebook ter matado cachorro do vizinho e acaba indiciado. Prestem atenção nesta parte da matéria: Na tarde de segunda-feira, (16/07), o garoto foi acompanhado da mãe à 1ª DP prestar depoimento e saiu chorando do local. "Esses garotos acham que são pitbulls na internet, mas na verdade são nanicos", diz o delegado Wladir Padilha.

O que pensei sobre isso: HAHAHAHA, bem feito! Toma, babaca! Vai aprender a ser gente e parar de falar tantas atrocidades nas redes sociais. Não sei se ele realmente matou o cachorro da vizinha, mas é bom ficar ligado que qualquer atitude lamentável, seja na vida virtual ou real, terá que arcar com as consequências e responder pelos seus atos. Portanto, pensem muito bem antes de sair fazendo merda ou divulgar suas porcarias por ai. Além de se passar por otário, ninguém tá a fim de acompanhar isso.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Antes e Hoje

Recebi um texto por email que trouxe até uma nostalgia. Procurei no Google o autor dessa peripécia pra postar aqui, mas não achei. Mesmo na ausência do proprietário, segue o texto para vocês viajarem no tempo também. Se por ventura descobrirem o autor, postem nos comentários :)

Antes e Hoje
Antes usavam chapéu, hoje usam boné virado pra trás.
As mulheres usavam anáguas debaixo das saias. Hoje as meninas compram anáguas no brechó, para usar como saia ou saída de piscina.
Antes, o vô morria, a vó vestia preto e só saía de casa para ir a missa ou para ver o filme do Mazzaropi. Hoje, o vô morre, logo a vó já tem namorado, e vão dançar, tomar sorvete e passear de mãos dadas como antes só os moços faziam.
E antes se passeava nas ruas e praças. Hoje se passeia nos shoppings.
Nas esquinas antes havia camelôs que corriam dos fiscais. Hoje os camelôs enfrentam os fiscais.

Os carros tinham radiadores. Hoje têm computadores.
Quando entrava um idoso no ônibus, o jovem oferecia o lugar.
Hoje, alguém oferece um lugar e o jovem senta antes do idoso...
Antes o telefone tocava, alguém atendia logo. Hoje só atendem logo se for celular.
Os telefones eram pretos, depois passaram a ser cinzentos. Hoje são coloridos, e a mesma transformação se deu com as gravatas.

Antes as sandálias eram franciscanas, agora são havaianas.
Antes, só se via barriga de mulher na praia ou na piscina. Hoje...
Antes, só os piratas usavam brincos. Hoje só há CDs piratas.

Antes os jovens namoravam. Agora ficam.
Namoros começavam nas praças e filas de cinema. Hoje começam e acabam na internet.
Depois de namorar, noivava-se, depois casava-se. Hoje, juntam-se.
Antes, os casais separavam-se dramaticamente. Hoje, acabam a relação tranquilamente. Ou abrem a relação.

Os restaurantes eram todos a la carte. Hoje são todos self-service e os bancos também.
Antes a hora das refeições era sagrada e tinha conversas demoradas. Hoje, é rapidinha e a conversa é descartável.
Lasanha só da mãe ou da vó. Hoje vem em caixa no supermecado.
Os cachorros comiam restos de ossos, e quase não ficavam doentes. Hoje, comem só ração balanceada, vitaminada aditivada e tem mais doenças.

Nas escolas, os professores falavam e os alunos ouviam. Agora os professores às vezes conseguem falar...
Diante de descalabros e absurdos, as pessoas se espantavam e perguntavam "Onde é que isso vai parar?". Agora, pararam de se espantar.
A revista mais lida tinha notícia. Hoje tem caras.

Só havia bailes em clubes. Hoje, só há baladas em boates.
Muitas músicas tinham ritmo forte. Hoje, muitas músicas só têm ritmos.
Carros trepidavam nas estradas de terra. Hoje, trepidam com o som.
Você ligava a tevê no domingo e matava o tempo. Hoje, você morre de tédio.

As velinhas do bolo de aniversário apagavam com o sopro do aniversariante.
Hoje, voltam a acender sozinhas, para todo mundo poder soprar. Mas o brigadeiro continua o doce preferido nos aniversários de crianças. Deve fazer lobby.

E, por enquanto, os domingos continuam caindo no fim de semana...

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Aprendendo a perder (Ricardo Sá)

"Só ganha na vida quem sabe perder! É preciso que tenhamos sabedoria e força interior para perder pontos de vista, iniciativas, a própria vez e a chance que pensávamos ter conseguido.

Mais força ainda precisamos ter para perder algo para alguém, quando este é uma pessoa querida, ou se a perda foi causada por traição ou por algum tipo de injustiça.

Porém, a verdade é que existe o tempo da perda e só fica de pé quem tem um horizonte mais amplo, uma meta definida e clara nessas ocasiões. E, assim, aprendemos a considerar tais privações como pesos que vamos largando ao longo do caminho, de modo que nos tornamos mais leves, para que possamos voar cada vez mais alto.

Eu sei que dói muito quando o que se perde são pessoas, mas entenda que o que não nos pertence, na realidade, nunca foi nosso!"


Quando não temos muito que dizer é preciso deixar que a música ou os textos falem por nós, como este do Ricardo Sá. Como é difícil perder. Perder um jogo, perder um emprego, perder um celular, carro e casa. Perder um ente querido então, nem se fala. Dói demais. Perder um relacionamento de tantos anos também machuca, mas é suportável.

A única certeza que temos nesta vida é de que nada é definitivo, pois um dia vamos morrer. A casa nova, linda, um dia vai se deteriorar e pedir manutenção. O carro novo, último modelo, vai ficar com as peças desgastadas e ficar ultrapassado. Toda aquela paixão enlouquecida existente nos jovens casais, um dia acaba. Aquele tesão com uma vontade louca de fazer sexo por longas horas, termina também. São poucas as coisas que nos acompanham até o final da vida.

Por falar em relacionamentos, todo casal que sobe ao altar espera ficar com sua companhia até que a morte os separe (exceto pessoas interesseiras que casam para dar o golpe do baú). Só que, infelizmente, é cada vez mais raro alguém conseguir cumprir este juramento dito dentro da igreja. Por que será? Isso é muito subjetivo. Alguns casamentos terminam por brigas, traições, incompatibilidade de gostos, difícil adaptação e outros fatores. 

Sou desses que sempre vai torcer para um relacionamento dar certo, pois sei como é triste colocar um ponto final quando você preferia vírgulas e reticências... Você olha para trás e começa lembrar os bons momentos que passaram juntos. Quantos planos, sonhos e metas traçadas para tentar ser feliz. Tentativas em vão que viraram papéis descartáveis jogados no lixo.

Porém, como diz o texto de Sá, é preciso saber perder. Se a morte levou quem você amava, chore e chore muito até as lágrimas secarem. Viva o seu momento de luto, mas depois aceite à condição de que as pessoas não nos pertencem e tudo aqui é provisório. 

E se for o seu relacionamento que chegou ao fim e você precisou se afastar de quem amava, chore um pouco também. Mas saiba que isso aconteceu porque alguém estava infeliz, então nem adianta arrastar aquilo que não dava mais certo. Às vezes é preciso retornar um passo para avançar dois, então trate de virar a página e começar uma nova história. Seguindo conforme a música "Depois" de Marisa Monte.


"Quero que você seja feliz. Hei de ser feliz também..."

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Campanha Paixão pelo RJ: Show de Horror!

O Governo do Estado do Rio de Janeiro lançou uma campanha para divulgar suas belezas naturais durante o Rio+20, que foi uma das piores já registradas nesse país. Acho que nem uma Tv Pirata lá do interior de Roraima deve veicular comerciais deste nível. Não sei qual foi a agência que criou estas peças, mas sugiro que fechem as portas. Definitivamente publicidade não é o ramo deles. O pior de tudo foi o próprio Governo do RJ publicar na sua página oficial do Facebook estas peças que são, no mínimo, medonhas. Espia algumas:


Muito animados...


Puxa, se tivesse sem óculos eu nem imaginaria que era montagem


Eike alegria


MEDO!


Dormir na praia, quem nunca?


O flash deve ter estourado na moça de branco


Pode enterrar que deve estar morta ahUAHhu


E pra encerrar...


É esse o país que vai sediar a Copa?

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Amar não é fácil

Neste momento inúmeros casais fazem filas nas portas dos motéis para comemorar o famoso Dia dos Namorados (12/06). Os restaurantes estão lotados por outros casais que fazem juras de amor eterno. Shoppings, cinemas, parques e, principalmente, o Facebook estão cheios de mimimi, guti guiti, ownnn que fofinho de casais demonstrando seu carinho um pelo outro. Já eu, solteiro e forever alone, estou aqui postando mais uma coisa irrelevante neste blog HAHAHA.

Santo Antônio já desistiu de resolver minha situação, pois não consigo suportar alguém por muito tempo. Se nem eu me aguento alguns dias da semana, quem dirá outra pessoa. Descobri que sofro de bipolaridade no amor. "WTF, que viadagem é essa?". Calma, eu explico. Bipolaridade no amor é um dia querer estar presente 24 horas na vida de alguém, e no dia seguinte preferir que ela não existisse. Simples assim (ou não). Quero atenção, mas não suporto um grude 48 horas por dia. Ao mesmo tempo quero ficar na minha, mas detesto o fato de não receber nenhuma SMS perguntando se estou bem, como foi meu dia...

O Padre Antônio disse numa missa, que não há coisa mais linda em ver um casal com 50 anos de casados afirmando que ama mais o seu parceiro hoje, do que no dia do casamento. Concordo! Olha quantas lutas, batalhas e momentos de aflições passaram juntos. E eles estão ali, firmes e fortes compartilhando suas vidas. Para o amor acontecer, é preciso abrir mão de algumas escolhas para beneficiar o próximo. Tem que haver equilíbrio, caso contrário o casal não vai aguentar tantas brigas e discussões que acabam com qualquer relacionamento.

Com 25 anos de idade, muitos jovens possuem família, casa e carro. Já eu, ainda moro com meus pais e nem tenho planos de sair de casa. Hoje não consigo nem me sustentar direito, como vou pensar em construir família? Complicado, não estou pronto para viver uma vida a dois. Foi-se aquele tempo em que os avôs casavam cedo para começar do zero uma vida de casados. Nesta geração ninguém mais quer passar trabalho. Se for viver em casal, que seja para somar e curtir. Pra chegar lá, penso que devo ter estabilidade financeira para poder oferecer o melhor para minha família.

E se essa tão almejada estabilidade nunca chegar? Ficarei sozinho para sempre? Não sei... só sei que no presente eu preciso cuidar mais de mim, sem compromisso de ligar para amada todos os dias ou ter que ir lá bater cartão - no mínimo - três vezes por semana. Sou tão insuportável que, pro meu namoro fluir, tinha que manter contato só de 15 em 15 dias. Não é a toa que estou sozinho, lógico, mas também não estou procurando por alguém neste momento. Dizem que o amor não se planeja, mas simplesmente acontece. Só espero estar menos chato quando o cupido me fisgar, pois não é fácil estar na minha pele.

terça-feira, 5 de junho de 2012

A infestação do mau humor

Numa das últimas postagens do jornalista Ricardo Kotscho, no blog Balaio de Kotscho (iG), ele escreveu sobre o que venho presenciando algum tempo nesta sociedade: mau humor exagerado. Experiente e habilidoso na forma de expor o que sente, achei o texto dele tão perfeito que me vi no direito de publicar neste blog para atingir mais... sei lá, 10 pessoas que ainda navegam por aqui. Vejamos:

Sei que é muito difícil remar contra a maré, mas podemos ao menos tentar, antes que não tenha mais jeito. De uns tempos para cá, não sei precisar exatamente o dia e a hora, mas começou a se formar uma onda de mau humor no país, um tsunami de coisa ruim e cara feia que vai atingindo todo mundo em todas as latitudes.

O vento virou de repente. Basta sair á rua, ver as notícias na banca de jornais, entrar no táxi, olhar para as pessoas nos pontos de ônibus, encarar uma fila no banco ou no supermercado. Parece que está todo mundo de cara amarrada, só esperando pelo pior.

Que se passa? Daqui a pouco as pessoas nem vão mais se perguntar se está “tudo bem”, já vão logo soltando os cachorros para mostrar que vai “tudo mal”. Em alguns ambientes, pega até mal dar risada ou querer fazer uma brincadeira. “Está rindo do quê”? São tantas tragédias, crises, desgraças e ameaças que estamos ficando proibidos de sorrir.

Fica difícil saber se o problema é individual ou coletivo ou as duas coisas juntas, mas a culpa certamente deve ser do governo, qualquer governo. O fato é que se tanta gente está insatisfeita, é preciso fazer alguma coisa, sei lá, trocar de roupa, de emprego, de namorado ou namorada, de boteco, de carro ou de prédio.

No meu caso, trocar de prédio já ajudaria muito porque vivo em meio a uma obra interminável de reforma da fachada, fora várias outras nos apartamentos, e com um vizinho de cima que parece estar de mudança todos os dias. O barulho é full-time.

Que fazer? Já estou usando tampão nos ouvidos, já fiz apelos aos sentimentos humanos dos vizinhos, só me resta pedir socorro à sociedade protetora dos animais, quem sabe ajuda.

Boa notícia é coisa tão rara ultimamente que já vão logo nos avisando, mas sempre com uma ressalva: “Boa notícia atrasada”, informa a Folha sobre a abertura da estação Pinheiros do Metrô de São Paulo, no próximo dia 16, mais de cinco anos após o início da obra.

Podem reparar: quando sai uma notícia boa, vem sempre acompanhada de um mas:

“Muito sol nesta quarta feira, mas pode chover à tarde…”.
“Inflação começa a cair, mas pode voltar a subir”.
“Cai o nível de desemprego, mas ainda faltam postos de trabalho”.
“País cresce, mas pode ter problemas nos aeroportos…”, e por aí vai.

Pegue qualquer noticiário de rádio ou TV e veja quanto tempo passa até que se fale de alguma coisa boa, divertida, prazerosa, engraçada ou bonita, que tenha acontecido em algum lugar do mundo.

Esta semana, ainda bem, pelo menos temos o casamento dos príncipes para espantar um pouco o mau humor do noticiário. Mas até disso já tem gente reclamando. “Que exagero!… E o que eu tenho a ver com isso? Nem fui convidado…”.

Ficamos assim, então: o Balaio convoca seus fiéis leitores para entrarmos todos na luta contra o mau humor. Não custa nada, e mal não vai fazer, garanto.

Alguém aí tem uma receita?



Receita pronta eu não tenho, mas vontade de fazer isso mudar... ah, com certeza!

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Muito bonito, mas não faz sentido

Ele: Boa noite, pequena.
Ela: Boa noite.
Silêncio.
Ele: Já dormiu?
Ela: To quase. Porquê?
Ele: Nada.
Silêncio de novo.
Ele: Pequena?
Ela: Fala.
Ele: Você sabia que você foi a melhor coisa que já me aconteceu?
Ela: Ah, obrigada.
Silêncio de novo.
Ele: Ainda tá acordada?
Ela: TÔ, CARALHO. FALA LOGO.
Ele: Nada não, esqueci.
Ela: PORRA, ALÉM DE NÃO DEIXAR A GENTE DORMIR, AINDA É POR BESTEIRA. BOA NOITE.

Ela dorme e ele começa a rabiscar algumas palavras em um pedaço de papel enquanto uma lágrima escorre de seu rosto. Ela acorda, vê o lado da cama vazio e um bilhete, parcialmente molhado:

"Bom dia, meu anjo. Dormiu bem? Espero que sim. Peço desculpas por ontem à noite, mas eu precisava ouvir sua voz antes de dormir. E hoje saí logo cedo, pra uma última caminhada no parque. Lembra que eu disse que fui ao médico há 6 anos, antes de nos conhecermos e ele diagnosticou câncer de laringe? Então, era verdade. Mas o que não te disse é que ele disse que eu tinha 6 anos de vida apenas. E lembra semana passada quando eu fui ao médico, tossindo muito? Ele disse que eu não passaria por essa noite. E lembra que você acordou várias vezes a semana toda comigo tossindo e cuspindo sangue? Pois é. Era meu corpo avisando que eu tava no fim. Mas não queria te assustar. Antes de eu partir, espalhei pela casa algumas surpresas. Quero que tire o dia para encontrá-las. Te amo, meu amor. Para sempre".

Com lágrimas nos olhos, ela desce a escada, que estava coberta de margaridas, sua flor favorita. Chegando à sala, um filhote de cachorro com um lacinho no pescoço dormia no sofá. Havia um bilhete: "Sempre quisemos um filho, se lembra? Aqui está.". Ela fez carinho nele e foi à cozinha, chorando. Uma mesa de café da manhã montada: pães, patês, geléias, sucos, frutas, café... E uma foto dele na outra ponta da mesa, onde costumava se sentar. Um bilhete: "Tome um café comigo". Depois de uma farta refeição, ela caminhou para o jardim. No banco onde costumavam se sentar e ver o pôr do sol, uma caixinha. Dentro, uma aliança com os dizeres "Sempre seu".
_______

Se alguém chorou com esse conto cujo autor não foi revelado, pode ir secando as lágrimas para ler o que vou dizer. Olha... BELA BOSTA! Texto muito bonitinho, de amor fofinho, mas completamente sem lógica. Como é que o cara abandona sua esposa ou namorada, sei lá, para morrer longe dela? Quem vai enterrá-lo? Sentindo que iria morrer deu tempo para ele fazer inúmeras surpresas antes da garota acordar, e depois partir para falecer sabe-se lá onde. No quintal? Hospital? Casa dos pais?

Realmente não tem lógica. Textos semelhantes circulam todos os dias pelas redes sociais sem o autor. Encantados pela narrativa, muitas pessoas curtem, comentam, choram e compartilham achando o máximo, sem parar pra pensar que não faz sentido. Não passou de uma historinha boba de casal apaixonado, onde o cara faz tudo pela mulher, mas tem o desfecho que não cabe em nenhuma história real (mimimimi). Não gostou do que falei? Foda-se Sem problemas, mas é a minha opinião e eu falo mesmo. Pronto, agora acabei!

domingo, 27 de maio de 2012

Milagre


Milagre é quando tudo conspira contra, mas Deus vem de mansinho e com um sopro leve muda o rumo dos ventos. (Fernanda Gaona)

segunda-feira, 21 de maio de 2012

New York, New York... ♪

New York, está ai uma cidade que eu gostaria de conhecer antes de morrer. Pena que o dinheiro me impede, mas a internet veio para nos levar em qualquer parte do mundo sem sair da cadeira. Não é algo que se diga: MINHA NOSSA, QUE VIAGEM MARAVILHOSA! mas né? Pelo menos conseguimos observar alguns ângulos privilegiados de cada lugar. Curte só essas fotos de NYC que recebi, infelizmente, sem crédito do fotógrafo.

















New York, New York. I want to wake up. In a city that never sleeps... 

Compartilhe

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Dicas Ocioso