quarta-feira, 13 de junho de 2012

Amar não é fácil

Neste momento inúmeros casais fazem filas nas portas dos motéis para comemorar o famoso Dia dos Namorados (12/06). Os restaurantes estão lotados por outros casais que fazem juras de amor eterno. Shoppings, cinemas, parques e, principalmente, o Facebook estão cheios de mimimi, guti guiti, ownnn que fofinho de casais demonstrando seu carinho um pelo outro. Já eu, solteiro e forever alone, estou aqui postando mais uma coisa irrelevante neste blog HAHAHA.

Santo Antônio já desistiu de resolver minha situação, pois não consigo suportar alguém por muito tempo. Se nem eu me aguento alguns dias da semana, quem dirá outra pessoa. Descobri que sofro de bipolaridade no amor. "WTF, que viadagem é essa?". Calma, eu explico. Bipolaridade no amor é um dia querer estar presente 24 horas na vida de alguém, e no dia seguinte preferir que ela não existisse. Simples assim (ou não). Quero atenção, mas não suporto um grude 48 horas por dia. Ao mesmo tempo quero ficar na minha, mas detesto o fato de não receber nenhuma SMS perguntando se estou bem, como foi meu dia...

O Padre Antônio disse numa missa, que não há coisa mais linda em ver um casal com 50 anos de casados afirmando que ama mais o seu parceiro hoje, do que no dia do casamento. Concordo! Olha quantas lutas, batalhas e momentos de aflições passaram juntos. E eles estão ali, firmes e fortes compartilhando suas vidas. Para o amor acontecer, é preciso abrir mão de algumas escolhas para beneficiar o próximo. Tem que haver equilíbrio, caso contrário o casal não vai aguentar tantas brigas e discussões que acabam com qualquer relacionamento.

Com 25 anos de idade, muitos jovens possuem família, casa e carro. Já eu, ainda moro com meus pais e nem tenho planos de sair de casa. Hoje não consigo nem me sustentar direito, como vou pensar em construir família? Complicado, não estou pronto para viver uma vida a dois. Foi-se aquele tempo em que os avôs casavam cedo para começar do zero uma vida de casados. Nesta geração ninguém mais quer passar trabalho. Se for viver em casal, que seja para somar e curtir. Pra chegar lá, penso que devo ter estabilidade financeira para poder oferecer o melhor para minha família.

E se essa tão almejada estabilidade nunca chegar? Ficarei sozinho para sempre? Não sei... só sei que no presente eu preciso cuidar mais de mim, sem compromisso de ligar para amada todos os dias ou ter que ir lá bater cartão - no mínimo - três vezes por semana. Sou tão insuportável que, pro meu namoro fluir, tinha que manter contato só de 15 em 15 dias. Não é a toa que estou sozinho, lógico, mas também não estou procurando por alguém neste momento. Dizem que o amor não se planeja, mas simplesmente acontece. Só espero estar menos chato quando o cupido me fisgar, pois não é fácil estar na minha pele.

4 comentários:

  1. Interessante... também acho que sofro dessa "bipolaridade do amor". Quero ter alguém ao meu lado, mas não dou espaço pra isso. Apenas estou esperando, sem pressa de ter um relacionamento.

    ResponderExcluir
  2. Naum tah facio pra ninguein.... como diria o Tigrelino. ;)

    ResponderExcluir
  3. Gostei de muitas coisas que você escreveu aqui, e também concordo - com devidas alterações de nomes - com a maior parte delas.

    Pra começar não acredito que exista a tal "bipolaridade do amor", acho que existe "instabilidade emocional" e isso é coisa do ser humano. E do ser humano comum. Exatamente: acho que todo mundo é assim. Exceto os extremamente carentes, que devem ser, mas não demonstram...

    Também acho lindo os casais de 50 anos que permanecem juntos e se amam cada vez mais.. mas acho que isso está em falta hoje justamente pela independencia que procuramos - essa coisa de já estar pronto ao casar, profissionalmente e tal - antes do casamento.

    Desaprendemos a depender de forma saudável do outro.
    Se é que isso existe.

    Bem-vindo ao time!

    ResponderExcluir
  4. É, eu fiz parte da população que segundo você estava postando coisas cuti cuti no facebook durante o dia dos namorados. hahaha'
    O Amor é muito medroso, é algo que se esconde quando a gente procura. Sabe, eu era igualzinha você. Sentia-me insuportável e dizia que a pessoa que aceitasse estar ao meu lado deveria ser muito maluquinha e ter muita força de vontade para aturar meu mal humor e a minha tpm. Há certos dias que quero estar sozinha, outros quero atenção, uma bipolaridade sem tamanho.
    Não precisei mudar meu modo de agir, simplesmente conheci uma pessoa que me aceitou do jeito que eu era, que me entendia quando queria ficar sozinha, e inclusive que cuida de mim, mesmo eu sendo desse jeito chato e irritante que não toma remédio quando está doente, que gosta de sair na chuva mesmo não estando devidamente agasalhada.
    Mesmo que você não esteja procurando por alguém, alguma hora vai aparecer alguém e essa pessoa será diferente para você, talvez com a personalidade igual a de muitas outras, mas será diferente da maneira dela. Não procure, deixe ser encontrado. (:

    ResponderExcluir

Aqui, a Liberdade de Expressão fica por sua conta :)

Compartilhe

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Dicas Ocioso