terça-feira, 31 de julho de 2012

A melhor herança

Hoje os meus olhos voltaram a brilhar como há muito tempo não brilhavam mais. Não, não encontrei o amor da minha vida, se é isso que estão pensando. Eles brilharam foi de emoção por ouvir palavras tão lindas sobre a vida durante mais um Cerco de Jericó, realizado no bairro Próspera, em Criciúma. O ser iluminado que estava finalizando o sétimo encontro era o Padre Antônio Vander, e foi dele que ouvi algo que muito me tocou e deixarei aqui registrado para sempre (ou até o Google cortar o Blogspot).

Antes de morrer, muitas pessoas pensam que as melhores heranças que vão deixar para os filhos são as casas, apartamentos, carros, terrenos, dinheiro no banco e outros bens conquistados com muito suor neste mundo. Pena que elas morrem sem saber que estavam erradas. O carro de hoje fica velho amanhã. O dinheiro acaba. Aquele apartamento, casa ou terreno vai se desgastando com ação do tempo, pois nada dura para sempre. Quer saber qual é a melhor herança que podemos deixar para alguém? É a fé... quem tem fé pode tudo. Luta, corre atrás dos seus sonhos e segue persistente em busca dos seus objetivos. Mesmo que desanime em vida, ela reencontra forças para levantar.

Infelizmente muitos acreditam que as coisas duram para sempre. Fazem de tudo e passam por cima de todos em troca de dinheiro, como se fossem ficar com ele eternamente. Até a nossa vida é emprestada, e um dia vamos ter que devolvê-la para o responsável por toda essa criação e evolução humana. É ai que o bicho pega, pois a morte é dolorida para todos. Não digo no sentido físico, mas sim no lado sentimental de quem fica e viu partir para sempre aquela pessoa querida... E você, o que tem feito para deixar com as pessoas que teve o privilégio de conviver em vida? Apenas bens materiais? Ou uma herança que servirá para o crescimento pessoal e espiritual de cada um?

As palavras do padre ecoaram na minha mente... O que tenho feito para deixar esse mundo melhor do que encontrei, quando aqui cheguei? Quem me conhece sabe que sou católico praticante e tenho vários amigos agnósticos e ateus. Respeito todos, e acho interessante o questionamento de cada um sobre a fé alheia. Mas acho que a fé é muito particular e cada pessoa tem o momento certo para descobrir se precisa dela (ou não). Confesso que a minha fé andava no piloto automático, e as palavras do padre reacenderam em mim a esperança de que um mundo melhor é possível. Mesmo que existam milhões de pessoas torcendo contra e te fazendo mal, siga em frente praticando o bem. 

Pra finalizar essa reflexão, o Pe. Antônio Vander cantou uma música do espiritualista Jorge Trevisol. Foi nessa hora que os meus olhos brilharam, pois era tudo o que eu precisava escutar neste momento. Vou compartilhar aqui caso alguém leu tudo e ficou interessado... (e até pra eu ouvir mais tarde também)


O que eu penso a respeito da vida
É que um dia ela vai perguntar
O que é que eu fiz com meus sonhos?
E qual foi o meu jeito de amar?
O que eu é que eu deixei pras pessoas
Que no mundo vão continuar?
Pra que eu não tenha vivido à toa
E que não seja tarde demais... :`)

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Dinheiro não é tudo, mas é quase...

Estava conversando com um amigo esses dias, e então entramos num assunto que faz brilhar os olhos das pessoas em todos os lugares: Dinheiro! Ele estava revoltado com tudo e todos, dizendo que odiava as pessoas que ligavam pro dinheiro. Para ele, quem dá valor ao dinheiro é "Filho do Sistema". O mais importante era valorizar o caráter e a dignidade das pessoas, sem querer saber de grana, pois o dinheiro não serve para nada.

Eu aplaudi as palavras bonitas proferidas por ele, mas disse que era impossível ignorar o dinheiro. 
K-entre-nós: o que se faz nessa vida sem dinheiro? Nada cara, NADA. Não come, não passeia, não consegue uma cama confortável para dormir, não tem crédito para responder as mensagens, não adquire roupas para andar vestido... Tudo gira em torno do dinheiro, por isso tem tanta gente matando e roubando por causa dele. Eles estão errados, mas por que fazem isso? Porque a falta de grana limita as pessoas. Somos escravos do sistema, não dá para ser diferente. (Mesmo assim nada justifica roubar e matar)

Um dos caras que ele mais atacou foi o Eike Batista, por ser mais rico que alguns países da África. Segundo ele, se tivesse tanta grana iria aproveitar para ajudar as pessoas que não têm onde morar. Outras que estão doentes e não podem pagar uma consulta. E aquelas que não têm o que comer. "Meu coração aperta quando vejo crianças sem vida ou vivendo em condições desumanas", disse. Eu aplaudi, mais uma vez, sua bonita atitude e depois perguntei se ele era candidato de alguma coisa. Ops, não perguntei isso haha (era brinks). Mas falei que o lado mau do dinheiro estava na GANÂNCIA.

Quanto mais grana se tem, mais $$$$$$$$ a pessoa quer. Ter dinheiro para passear e viver bem já não basta, as pessoas precisam competir entre si. É uma disputa para ver quem tem a melhor casa, o melhor carro, o melhor celular, as melhores roupas de marca e quem viaja mais. Tem "gente", se é que podemos chamar assim, que arma até o próprio sequestro só para conseguir arrancar uma boa grana da família. Fora outros tantos que já acabaram com os relacionamentos por causa da maldita "herança familiar"... lamentável.

Sou de uma família simples, mas não me falta nada. Ganhamos pouco, só que nos viramos bem e ainda separamos uma pequena parte para compartilhar com obras de caridade. Todo mês sai 35 reais da minha conta no débito automático para uma instituição religiosa que cuida de doentes e presta um excelente trabalho de assistência social. 
Sabe quantas vezes já deixei de sair por não ter 35 pila na carteira? MUITAS. Mesmo assim nunca cancelei esse débito automático de ajuda, porque eu acho que o mundo se torna um lugar melhor se pudermos compartilhar o pouco que temos em prol daqueles que têm nada. O dinheiro não é tudo, mas para viver bem é preciso tê-lo por perto.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Muito cuidado antes de fazer ou postar qualquer "merda" por ai

"Cão que ladra não morde", já diz o velho ditado. E a internet está cheia de "cães" deste porte, "latindo" e se achando os valentões por trás do computador. Abrem perfis em sites de relacionamentos, criam blogs e canais no youtube para falar um monte de besteira sem fundamento. Atacam os outros covardemente, se acham donos da verdade e ainda pensam estar com toda a razão. Doentes... é isso que estas pessoas são.

Estes dias, um usuário do Facebook com nome "Diogo CL" postou a seguinte atualização: "Pronto, agora é só o veneno fazer efeito para finalmente o cachorro do vizinho parar de latir". Ele se vangloriava na rede por ter cometido um crime contra o cachorro. Inclusive, uma retardada (aqui posso usar nomes de baixo calão, pois o blog não é jornalístico) com nome de Letícia Phillips perguntou "Como você fez?", e recebeu a resposta: "Chumbinho dentro do pedaço de carne".

Na mesma hora, associações de proteção aos animais se mobilizaram para denunciar este ato covarde e criminoso do cidadão em questão. Ele achou que não iria responder pelos seus atos, e que a internet é um espaço livre para falar qualquer merda sem retaliação. Sim, a internet é um espaço livre e democrático, mas a partir do momento que você usa para atacar alguém ou dar publicidade para atitudes criminosas, fique ciente que haverá consequências. Aqui se faz, ali se paga.

Eis que estou navegando pelo site G1 de Santa Catarina e vejo: Rapaz diz pelo Facebook ter matado cachorro do vizinho e acaba indiciado. Prestem atenção nesta parte da matéria: Na tarde de segunda-feira, (16/07), o garoto foi acompanhado da mãe à 1ª DP prestar depoimento e saiu chorando do local. "Esses garotos acham que são pitbulls na internet, mas na verdade são nanicos", diz o delegado Wladir Padilha.

O que pensei sobre isso: HAHAHAHA, bem feito! Toma, babaca! Vai aprender a ser gente e parar de falar tantas atrocidades nas redes sociais. Não sei se ele realmente matou o cachorro da vizinha, mas é bom ficar ligado que qualquer atitude lamentável, seja na vida virtual ou real, terá que arcar com as consequências e responder pelos seus atos. Portanto, pensem muito bem antes de sair fazendo merda ou divulgar suas porcarias por ai. Além de se passar por otário, ninguém tá a fim de acompanhar isso.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Antes e Hoje

Recebi um texto por email que trouxe até uma nostalgia. Procurei no Google o autor dessa peripécia pra postar aqui, mas não achei. Mesmo na ausência do proprietário, segue o texto para vocês viajarem no tempo também. Se por ventura descobrirem o autor, postem nos comentários :)

Antes e Hoje
Antes usavam chapéu, hoje usam boné virado pra trás.
As mulheres usavam anáguas debaixo das saias. Hoje as meninas compram anáguas no brechó, para usar como saia ou saída de piscina.
Antes, o vô morria, a vó vestia preto e só saía de casa para ir a missa ou para ver o filme do Mazzaropi. Hoje, o vô morre, logo a vó já tem namorado, e vão dançar, tomar sorvete e passear de mãos dadas como antes só os moços faziam.
E antes se passeava nas ruas e praças. Hoje se passeia nos shoppings.
Nas esquinas antes havia camelôs que corriam dos fiscais. Hoje os camelôs enfrentam os fiscais.

Os carros tinham radiadores. Hoje têm computadores.
Quando entrava um idoso no ônibus, o jovem oferecia o lugar.
Hoje, alguém oferece um lugar e o jovem senta antes do idoso...
Antes o telefone tocava, alguém atendia logo. Hoje só atendem logo se for celular.
Os telefones eram pretos, depois passaram a ser cinzentos. Hoje são coloridos, e a mesma transformação se deu com as gravatas.

Antes as sandálias eram franciscanas, agora são havaianas.
Antes, só se via barriga de mulher na praia ou na piscina. Hoje...
Antes, só os piratas usavam brincos. Hoje só há CDs piratas.

Antes os jovens namoravam. Agora ficam.
Namoros começavam nas praças e filas de cinema. Hoje começam e acabam na internet.
Depois de namorar, noivava-se, depois casava-se. Hoje, juntam-se.
Antes, os casais separavam-se dramaticamente. Hoje, acabam a relação tranquilamente. Ou abrem a relação.

Os restaurantes eram todos a la carte. Hoje são todos self-service e os bancos também.
Antes a hora das refeições era sagrada e tinha conversas demoradas. Hoje, é rapidinha e a conversa é descartável.
Lasanha só da mãe ou da vó. Hoje vem em caixa no supermecado.
Os cachorros comiam restos de ossos, e quase não ficavam doentes. Hoje, comem só ração balanceada, vitaminada aditivada e tem mais doenças.

Nas escolas, os professores falavam e os alunos ouviam. Agora os professores às vezes conseguem falar...
Diante de descalabros e absurdos, as pessoas se espantavam e perguntavam "Onde é que isso vai parar?". Agora, pararam de se espantar.
A revista mais lida tinha notícia. Hoje tem caras.

Só havia bailes em clubes. Hoje, só há baladas em boates.
Muitas músicas tinham ritmo forte. Hoje, muitas músicas só têm ritmos.
Carros trepidavam nas estradas de terra. Hoje, trepidam com o som.
Você ligava a tevê no domingo e matava o tempo. Hoje, você morre de tédio.

As velinhas do bolo de aniversário apagavam com o sopro do aniversariante.
Hoje, voltam a acender sozinhas, para todo mundo poder soprar. Mas o brigadeiro continua o doce preferido nos aniversários de crianças. Deve fazer lobby.

E, por enquanto, os domingos continuam caindo no fim de semana...

Compartilhe

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Dicas Ocioso